IBGE: 1% mais rico ganha 35 vezes mais dinheiro do que os 50% mais pobres no Brasil

Levantamento mostra ‘diminuição’ na desigualdade em comparação a 2019, quando mais ricos ganhavam 40 vezes mais dinheiro do que população pobre no país

  • Por Jovem Pan
  • 20/11/2021 10h02
Marcello Casal Jr./Agência Brasil Cédulas de real desfocadas Apesar de leve diminuição, desigualdade ainda é gritante no Brasil

Um levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontou que a concentração de renda no Brasil chegou ao menor patamar dos últimos seis anos em 2020. Segundo a pesquisa, a parcela mais rica da população recebeu, em média, 35 vezes a renda da metade mais pobre. Em 2019, essa diferença era de 40 vezes. Enquanto a parcela mais abastada ganha, em média, R$ 15,8 mil por mês, os mais vulneráveis receberam apenas R$ 453. A queda na concentração de renda se deve, principalmente, ao pagamento do auxílio emergencial de R$ 600, ou R$ 1,2 mil, no caso de mulheres chefes de família ou trabalhadores informais que ficaram sem emprego na pandemia.

A analista de pesquisa Alessandra Brito ressalta que entre 2019 e 2020 o total de pessoas com rendimento de trabalho recuou de 92 milhões para 84 milhões. Já o número dos que recebiam outros rendimentos subiu de 16 milhões para 30 milhões de pessoas no mesmo período. “Isso se observou como a redução da proporção de pessoas recebendo renda por trabalho, com o efeito da pandemia, da Covid-19, e o aumento do recebimento de outras fontes de rendimento, sobretudo, de outros rendimentos, onde está inserido o recebimento do auxílio emergencial, que é um benefício que foi criado para fazer frente aos efeitos socioeconômicos da pandemia”, afirmou. Paralelamente, o rendimento médio mensal da população brasileira também caiu, atingindo R$ 2,2 mil em 2020, menor patamar desde 2012. Em contrapartida, a renda das fatias mais pobres da população subiu 17% em 2020.

*Com informações do repórter Victor Moraes