Indústria da construção recua 2,8% e teme desabastecimento em 2021

Segundo José Carlos Martins, a falta de materiais impactou cronogramas e elevou os custos no setor

  • Por Jovem Pan
  • 18/12/2020 07h06 - Atualizado em 18/12/2020 09h55
Elza Fiúza/Agência BrasilDe acordo com José Carlos Martins, de junho a novembro, a inflação dos materiais de construção passou dos 15%

A indústria da construção espera um crescimento de 4% em 2021, após recuo de 2,8% em ano de pandemia. Mas o presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção, José Carlos Martins, reforça a recuperação do mercado imobiliário. “As vendas no mercado imobiliário têm crescido em torno de 10%. Nosso PIB de março imaginávamos que fosse cair 11%, cairá somente 2,8%. Para 2021 esperamos que com vendas maiores deste ano e a redução que tivemos de estoque, o simples fato de entregar aquilo que foi combindo e repor estoque já garanta um ano de 2021 bom para a construção também.”

José Carlos Martins também ressalta a preocupação com a falta de insumos da construção. “Se não forem feitas as reformas teremos sérios problemas no futuro. Mas o que mais nos procupa hoje é o desabastecimento dos nossos insumos. Isso ocasionou um atraso de cronogramas e um aumento de custo extremamente elevado. Até maio tivemos uma inflação dos materiais de construção de 2,5%. De junho a novembro, já passou de 15%”, diz. O presidente da CBIC, José Carlos Martins, avalia se a estimativa de crescimento se concretizar em 2021,  será a maior em oito anos no setor.

*Com informações do repórter Marcelo Mattos