Inglaterra acusa França de levar novas demandas às vésperas do Brexit

Prazo final para negociações da separação do Reino Unido e da União Europeia é a virada do ano

  • Por Ulisses Neto/Jovem Pan
  • 04/12/2020 07h28 - Atualizado em 04/12/2020 08h47
EFEOs dois lados estão reunidos em Londres tentando alcançar um entendimento em tempo viável para evitar problemas na virada do ano

Faltando poucos dias para a efetivação do Brexit, o processo de separação segue mais confuso do que nunca. As negociações para um acordo comercial entre britânicos e europeus retrocederam mais um pouco na noite desta quinta-feira, 3. Os dois lados estão reunidos em Londres tentando alcançar um entendimento em tempo viável para evitar problemas na virada do ano, mas está difícil encontrar um consenso: as questões ideológicas parecem intransponíveis neste momento. Na Inglaterra a acusação é de que a França está trazendo novas demandas em cima da hora para a mesa de negociações.

Nesta quinta, os representantes do governo conservador terminaram o encontro com os europeus frustrados com o impasse sobre questões menores. Entre elas estão as cotas de pesca para barcos europeus dentro das águas britânicas. Dentro do volume das trocas comerciais entre os dois lados do Canal da Mancha, essa indústria tem peso restrito — mas o que vale é o moral de cada um. O Reino Unido não se divorciou da Europa para continuar aceitando as regras de Bruxelas. Ao mesmo tempo que os europeus não vão dar acesso privilegiado ao seu mercado sem ter contrapartidas relevantes dos britânicos. E enquanto essa equação não é resolvida o calendário segue seu curso normal. O período de transição do Brexit acaba na virada do ano e o risco de caos nas fronteiras do lado de cá é enorme sem um acordo de livre comércio. O impasse nas negociações demonstra que 2021 será um ano de fortes emoções no lado econômico na Europa. Os efeitos do Brexit vão finalmente começar a ficar claros — isso em meio a pandemia de coronavírus e seus impactos sem precedentes na economia.