Israel anuncia novo confinamento para frear segunda onda da Covid-19

Em protesto à medida, o ministro da Habitação, Yaakov Litzman, pediu demissão do cargo

  • Por Jovem Pan
  • 14/09/2020 06h32 - Atualizado em 14/09/2020 08h14
EFE/EPA/MOHAMMED SABERSegundo a Universidade John Hopkings, Israel registra mais de 155 mil casos confirmados da Covid-19 e 1.019 mortes pela doença

Após aumento do número de infectados pela Covid-19, o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, determinou um novo confinamento no país. O isolamento começa a valer a partir de sexta-feira e deve durar três semanas, em um período de alta temporada de feriados judaicos. Os israelenses só poderão circular por até 500 metros de casa. As reuniões serão limitadas a, no máximo, 10 pessoas em ambientes fechados e 20 em locais abertos. O governo deve definir as regras para cerimônias religiosas. Escolas e shoppings permanecerão fechados, mas o aeroporto internacional de Tel Aviv continuará funcionando. A medida foi anunciada uma semana depois que as autoridades instalaram toque de recolher em 40 cidades na tentativa de conter o avanço do coronavírus em Israel, em um momento que as famílias se reúnem em casas e templos para celebração de feriados religiosos. Em protesto à medida, o ministro da Habitação, Yaakov Litzman, pediu demissão do cargo. Litzman disse que o governo falhou ao não agir mais cedo e escolheu prejudicar a comemoração dos feriados. De acordo com dados da Universidade John Hopkings, Israel registra mais de 155 mil casos confirmados da Covid-19 e 1.019 mortes pela doença.

*Com informações da repórter Nanny Cox