Jean Gorinchteyn: Estado de SP está saindo do platô da Covid-19 e continua decrescendo

Secretário declarou, porém, que nem por isso o Estado autorizou a redução de medidas protetivas

  • Por Jovem Pan
  • 05/10/2020 09h22 - Atualizado em 05/10/2020 11h21
MINETO/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDODe acordo com o secretário, imaginava-se que a imunidade de rebanho só poderia ser atingida com cerca de 70% das pessoas acometidas

O secretário estadual de Saúde de São Paulo, Jean Gorinchteyn, afirmou que o Estado não só está saindo do platô como também está decrescendo — mesmo diante de uma maior testagem dos casos. A Covid-19 em São Paulo está há 10 semanas com redução no número de internações e há oito com redução no número de mortos e casos. De acordo com o secretário, imaginava-se que a imunidade de rebanho só poderia ser atingida com cerca de 70% das pessoas acometidas pela doença. “Com o coronavírus percebemos que isso não é uma verdade. Índices abaixo de 50% já indicam um número grande de pessoas acometidas. Em um mesmo município, vimos que as regiões periféricas e com dificuldade de isolamento tivemos 46% de circulação do vírus. Em áreas que as restrições foram mais respeitadas a circulação foi menor.”

Em entrevista ao Jornal da Manhã, da Jovem Pan, Jean disse que nem por isso o Estado autorizou a redução de medidas protetivas e sanitárias. “Estamos fazendo a testagem de sintomáticos leves, como dor de garganta ou de cabeça. Imediatamente as pessoas no entorno entram em quarentena e ela em isolamento. Após o resultado, cerca de 72h a 96h depois, o resultado sai. Se vem positivo, acontece o rastreio através de aplicativo. Se vier negativo, as atividades normais são retomadas”, explicou. “Isso faz com que se identifique a doença de forma precoce e os riscos potenciais de desenvolver formas graves dela.”

Jean Gorinchteyn que o risco de crianças e adolescentes se tornarem vetores do vírus não está na escola, mas sim em não seguir os ritos de distanciamento em casa e nas comunidades. “Isso passa a ser um problema maior, não é a escola que é o problema. Todas as medidas tomadas dentro das escolas como a redução dos números, que primeiro teremos 30% da capacidade funcionando, a aferição das temperaturas, o uso das máscaras, a testagem que vamos especificar melhor na quarta-feira (7). Isso dá uma segurança muito grande para o retorno de forma segura”, concluiu.