Moro critica Bolsonaro e Lula durante filiação de membros do MBL ao Podemos

Pré-candidato à presidência da República, ex-ministro falou em recuperar a confiança da população brasileira

  • Por Jovem Pan
  • 27/01/2022 07h44 - Atualizado em 27/01/2022 10h32
BRUNO ROCHA/ENQUADRAR/ESTADÃO CONTEÚDO Ex-juiz e pré-candidato a Presidência da República pelo Podemos, Sergio Moro Moro também afirmou que o projeto do Podemos, seu atual partido, é a esperança para o povo brasileiro

O pré-candidato à presidência da República, o ex-ministro Sergio Moro esteve presente no ato de filiação de membros do MBL ao Podemos, em São Paulo. Durante discurso, o ex-juiz voltou a criticar o governo do presidente Jair Bolsonaro e o Partido dos Trabalhadores (PT). “A gente vê um governo que quer um cheque em branco do cidadão para ele, para que ele gaste para ganhar as eleições sem nenhum outro propósito. E um governo do passado que quer voltar, que quer outro cheque em branco para provocar outra recessão. Um cheque em branco para quem sabe poder roubar de novo, como fez no passado”, afirmou. Moro também afirmou que o projeto do Podemos, seu atual partido, é a esperança para que o povo brasileiro volte a olhar para Brasília e veja a coisa certa.

“Quer olhar para Brasília e não quer um presidente que esteja tramando com o Centrão e o PT para desmantelar o combate à corrupção, que é isso que a gente viu nesses últimos anos. A população brasileira quer olhar para Brasília para ter pelo menos alguma confiança”, completou. O Podemos considera o Estado de São Paulo como primordial para a eleição de Sergio Moro à presidência da República, em razão de seu grande colégio eleitoral. Para isso, o partido montou um palanque de peso com candidatos ao governo do Estado, Senado e Câmara dos Deputados. Arthur do Val, atual deputado estadual, deve ser o candidato ao governo pela legenda. O também deputado estadual Heni Ozi Cukier vai buscar uma vaga no Senado, enquanto o deputado federal Kim Kataguiri vai tentar a reeleição. O partido projeta uma bancada de até nove deputados federais com a chegada de novos filiados.

*Com informações do repórter João Vitor Rocha