Mourão celebra trégua entre Maia e Guedes e prevê retomada de reformas

Para o vice-presidente, o importante é acelerar o processo de articulação para construir um texto que possa ser aprovado

  • Por Jovem Pan
  • 07/10/2020 05h15 - Atualizado em 07/10/2020 08h01
DIDA SAMPAIO/ESTADÃO CONTEÚDOMourão lembrou que o Brasil precisa encontrar saídas para a retomada da economia com responsabilidade e respeitando o teto de gastos

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, acredita que a trégua entre o presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia, e o ministro da Economia, Paulo Guedes, vai contribuir para o avanço da pauta reformista no Congresso Nacional. O general diz que confia no Congresso, cujos parlamentares foram eleitos na esteira de uma necessidade de reformas. Mourão avalia que se as mudanças estruturais não forem feitas, o Brasil permanecerá eternamente preso na situação em que está. Agora, segundo ele, o importante é acelerar o processo de articulação para construir um texto que possa ser aprovado.

“Dizem que o falecido Ulysses Guimarães é o autor dessa frase: política até a raiva é combinado. Acontece mais ou menos por aí. Muita gente é difícil a gente ter a mesma visão do problema, então acertando os pontos de convergência, pode não ser a reforma que todos gostaríamos, mas será a possível. Vamos ver se a gente coloca mais velocidade porque o Brasil precisa dessa velocidade.”

Mourão lembrou que o Brasil precisa encontrar saídas para a retomada da economia com responsabilidade e respeitando o teto de gastos. Uma delas é a criação do programa Renda Cidadã, cuja fonte de custeio deve ser encontrada a partir do remanejamento de recursos. “Tem que buscar dentro dos limites do orçamento recurso pra isso. Já falei pra vocês, ou se corta recurso de alguma área ou se descobre alguma nova forma de obter esse recurso dentro dos limites que nós temos. Ou seja, dentro da Lei”, afirma.

A expectativa inicial era que a saída encontrada para custar o Renda Cidadã fosse divulgada nesta quarta-feira, 07. No entanto, o anúncio deve acontecer apenas na próxima semana, sinalizou o senador Márcio Bittar (MDB-AC), relator da PEC do Pacto Federativo, que inclui a criação do projeto de transferência de renda.

*Com informações do repórter Antônio Maldonado