ONU considera crise de refugiados como pior do século; Brasil abre braços para venezuelanos

Estima-se que mais de cinco milhões de pessoas tenham deixado país da América do Sul fugindo da fome e em busca de futuro melhor para família

  • Por Jovem Pan
  • 20/06/2021 12h21
PRISCILLA TORRES/PHOTOPRESS/ESTADÃO CONTEÚDOMilhares de venezuelanos cruzaram a fronteira com o Brasil por Roraima

Partir sem olhar pra trás e muitas vezes sem nem levar pertences, só a esperança de um futuro digno. Essa é a história de milhares de famílias que migram forçadamente, seja por conflitos armados, políticos, ou econômicos. Trajetórias como a da Liliana Brizuela, professora de química, de 40 anos, casada com Carlos Brizuela, professor de biologia, também de 40 anos. Eles são venezuelanos, residentes no Brasil há um ano e meio. Vieram com três filhos, o mais velho ficou em Caracas. O casal relata que lá, mesmo trabalhando como professores em escolas do governo, o salário ficava cada vez mais curto para dar conta do aumento descontrolado dos preços e as refeições chegavam a ser controladas durante o dia. Aqui a realidade é outra. “É bem melhor ficar aqui porque a gente tem paz, mais do que a comida, é importante, mas a paz, a tranquilidade que a gente tem de saber que nossos filhos vão ter um melhor futuro por causa de uma boa educação, de uma boa alimentação, por causa da tranquilidade mesmo que a gente conseguiu aqui”, afirmou.

Liliana dá aulas de espanhol e Carlos trabalha como auxiliar de limpeza. Mesmo fora da profissão, o sustento da família está garantido. Isso faz com que eles tenham sonhos e façam planos. “Tem as coisas cobertas, as necessidades básicas como alimentação, a gente pode focar em outras coisas que são de proveito para a gente. A gente quer fazer coisas que são não somente para nós, mas também para a humanidade”, explicou. O casal não é o único. Estima-se que mais de 5 milhões de venezuelanos já deixaram a Venezuela em busca de refúgio em outros países. O Brasil é um dos principais destinos. Aqui, estão abrigados mais de 260 mil refugiados. Os números são da organização humanitária Refúgio 343, que está presente em 15 estados brasileiros e trabalha em parceria com agências internacionais no apoio e reinserção socioeconômica de refugiados.

Fernando Rangel, diretor executivo da organização, diz que a projeção é que existam 80 milhões de refugiados no mundo hoje. O Brasil tem feito um trabalho de destaque na acolhida. “O ser humano migra desde que ele existe nesse planeta e hoje isso ao invés de estar sendo visto como uma coisa bonita, positiva, uma possibilidade de uma troca cultural, está gerando na verdade muita xenofobia e um descontentamento às vezes de uma população que está naquele país que poderia e deveria ajudar. O Brasil ainda é um país muito acolhedor, nós acreditamos que a gente está fazendo um trabalho muito positivo, a Operação Acolhida que está em Roraima é um exemplo para o mundo inteiro”, afirmou. A organização Refúgio 343 já acolheu mais de 1.400 pessoas. De acordo com a ONU, a situação dos refugiados é a mais grave crise humanitária do século. A última crise migratória tão intensa foi causada pela Segunda Guerra Mundial.

*Com informações da repórter Carolina Abelin