Polícia Federal abre inquérito para investigar milícias digitais contra democracia

Órgão comunicou investigação ao STF e afirmou que nomes dos filhos do presidente, Eduardo e Flávio Bolsonaro, foram citados quando eles reuniam indícios

  • Por Jovem Pan
  • 17/07/2021 06h28
ANDRE MELO ANDRADE/IMMAGINI/ESTADÃO CONTEÚDO Policial Federal de costas durante operação Pollícia Federal comunicou investigação sobre atos antidemocráticos ao STF

A Polícia Federal abriu inquérito e comunicou ao Supremo Tribunal Federal (STF) nesta sexta-feira, 16, que vai investigar milícias digitais que atacaram a democracia. Dois filhos do presidente Jair Bolsonaro, Eduardo e Flávio, foram citados enquanto a polícia reunia indícios. A investigação começou a partir da decisão do ministro do STF, Alexandre de Moraes, no inquérito sobre os atos antidemocráticos, processo que foi arquivado pelo próprio ministro meses após seu início. Apesar disso, a apuração indicou um novo caminho para as investigações. Agora, a PF vai trabalhar para reunir provas que apontem para a existência de uma verdadeira organização criminosa que teria agido com a finalidade de “atentar contra o estado democrático de direito”. Outra suspeita é de que este grupo tenha sido abastecido com verba pública, já que o próprio Moraes havia apontado um possível envolvimento dos deputados Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e Bia Kicis (PSL-DF) anteriormente.

*Com informações do repórter Victor Moraes