Poluição do ar cai por causa da baixa movimentação de veículos em SP

  • Por Jovem Pan
  • 06/04/2020 06h49 - Atualizado em 06/04/2020 09h24
Sebastiao Moreira/EFEAs partículas, que são as fuligens e as fumaças, podem ser mais agressivas nas pessoas quem têm problemas como asma

A qualidade do ar melhorou na região metropolitana de São Paulo desde que os paulistas passaram a ficar em casa por causa da pandemia do coronavírus. A constatação é da Cetesb, órgão ambiental do Estado de São Paulo.

Há mais de duas semanas, as 29 estações de monitoramento da companhia na região registraram qualidade boa para os poluentes. Isso aconteceu porque, além das condições meteorológicas favoráveis, há menos carros circulando nas ruas.

Embora pequenas, as partículas de poluentes são prejudiciais à saúde. As partículas inaláveis, que são as fuligens e as fumaças, podem ser mais agressivas, principalmente, nas pessoas quem têm problemas respiratórios, como a asma. Já o ozônio, que é formado em uma reação atmosférica, ataca as mucosas.

Ou seja, no período da tarde, principalmente nos dias mais quentes, os olhos e o nariz ficam mais secos e ardem.

É por isso que, para Maria Lucia Guardani, a qualidade do ar também é uma questão de saúde pública. A gerente da Cetesb diz que é preciso tirar uma lição do que o estado de São Paulo está vivendo hoje.

Nas palavras dela, para manter a qualidade do ar boa depois da quarentena, é preciso mais acesso e melhorias no sistema de transporte público de São Paulo.

*Com informações da repórter Nicole Fusco