Presidente da Azul diz que retomada da aviação no Brasil é ‘robusta’: ‘Estamos animados’

John Rodgerson afirma que número de voos da empresa neste ano já supera patamar de 2019

  • Por Jovem Pan
  • 30/09/2021 09h32 - Atualizado em 30/09/2021 09h33
Reprodução/Airbus Avião da azul Segundo John Rodgerson, a expectativa para 2022 é de investimentos em tecnologias que tragam mais eficiência para as aeronaves

O presidente da Azul, John Rodgerson, considera que a retomada da aviação é “robusta”. O executivo reconhece que a adesão dos brasileiros às viagens está sendo mais rápida do que o esperado. “Estamos muito animados, muitos brasileiros estão voltando a voar mais rápido do que pensei. Temos mais voos no ar do que tivemos em 2019, porque muita gente parou de fazer viagem [na pandemia], de ver seus netos e, agora, todos estão voltando ao mesmo tempo. Então, estamos muito animados com a retomada que estamos vendo agora”, afirma em entrevista à Jovem Pan. Ele enxerga que o retorno é impulsionado pelo avanço da vacinação contra a Covid-19. “A vacina funciona, é isso que nós aprendemos. Com as vacinas que estão chegando ao Brasil, o povo vacinado pode voar com tranquilidade e está bem mais calmo agora”, completa.

A respeito das ações de socorro às empresas aéreas na pandemia, o presidente da Azul vê que o governo federal “fez tudo que podia”. “Ajudou. Imagina um dia estar faturando R$ 1 bilhão por mês e depois zero. A entrada pode ser negativa e você ter que devolver dinheiro. O governo fez tudo que podia, claro que a gente queria mais, como em outros países. Mas a realidade do Brasil é diferente, somos muito gratos ao que aconteceu aqui”, acrescente. Segundo John Rodgerson, a expectativa para 2022 é de investimentos em tecnologias que tragam mais eficiência para as aeronaves e, com isso, uma economia para a companhia. “O mesmo custo que os consumidores têm na gasolina, nós temos nas aeronaves, precisam de aeronaves mais eficientes. Então, estamos investindo em tecnologia para queimar menos combustível e economizar  em cada um dos nossos voos”, conclui.

*Com informações do repórter Daniel Lian