Prorrogação da renda emergencial em SP será discutida na próxima semana, diz Milton Leite

Proposta do prefeito Bruno Covas prevê o pagamento de três parcelas de R$ 100 para 1,2 milhão de pessoas; partidos da oposição, no entanto, pedem ampliação do prazo e aumento do benefício

  • Por Jovem Pan
  • 17/02/2021 09h55 - Atualizado em 17/02/2021 15h01
ALEX SILVA/ESTADÃO CONTEÚDO AGE20210101170Milton Leite considera que o amplo debate, assim como posições antagônicas, é benéfico para o tema

As ações para minimizar os efeitos da Covid-19 são prioridade total da Câmara Municipal de São Paulo, afirma o presidente da Casa, Milton Leite (DEM). Segundo ele, nesse momento em que a “população está agonizando”, pautas como o retorno da renda emergencial na capital paulista não podem esperar. Por isso, a previsão é que o debate dos vereadores sobre a extensão do benefício volte a acontecer entre a terça e quarta-feira da próxima semana. Leite defende um amplo debate sobre o tema e ressalta que todos na Câmara têm o mesmo propósito: atender a população. “A prioridade total é das questões relacionadas à Covid. A nossa pauta é a Covid, estamos fazendo dela as nossas prioridades. Depois vem outros assuntos importantes, mas, neste momento, quem está agonizando é a população, não podemos aguardar”, disse durante entrevista ao Jornal da Manhã, da Jovem Pan.

Milton Leite considera que o amplo debate, assim como posições antagônicas, é benéfico para o tema e para a construção de um “produto melhor”. “O debate é positivo, não é ruim o debate, ainda que seja com posições antagônicas. Não tem que haver domínio da Esquerda, Direita ou Centro. É bom que haja o debate, é bom para o povo. Provavelmente teremos um bom produto, é uma oportunidade fantástica de debatermos”, avaliou o vereador, que classifica São Paulo, quando comparado aos outros municípios brasileiros, como uma “ilha”, sendo o único capaz de criar, em meio às dificuldades econômicas da pandemia, um auxílio municipal. “Chegamos em um momento de pandemia com caixa equilibrado, começamos 2021 estabelecidos, mas não vejo esse quadro no país. Há um diferencial entre a cidade de São Paulo e outras cidades no que tange o fluxo de caixa para atender demandas que a sociedade deseja”, disse. A prorrogação da renda emergencial na capital paulista foi aprovada em primeiro turno no dia 12 de fevereiro e deve passar, nas próximas semanas, por novas discussões. A proposta do prefeito Bruno Covas (PSDB) é um benefício no valor de R$ 100 por mais três meses. A medida teria investimento de R$ 420 milhões e beneficiaria 1,2 milhão de paulistanos.