Reino Unido tem nova idade mínima para aposentadoria

Jovens que ingressam no mercado de trabalho britânico hoje tem a perspectiva clara de que não vão se aposentar antes dos 70 anos

  • Por Ulisses Neto/Jovem Pan
  • 06/10/2020 07h01 - Atualizado em 06/10/2020 08h39
Eduardo Matysiak/Estadão ConteúdoAtualmente o benefício máximo pago pelo governo do Reino Unido é de £ 175,20 por semana; em reais, isso dá quase R$ 1,3 mil por semana

A nova idade mínima para aposentadoria aqui no Reino Unido entra em vigor nesta terça-feira (6). A partir de agora os trabalhadores do país precisam ter no mínimo 66 anos para requisitar a pensão do governo — mas isso vale para homens e mulheres nascidos até 1960. Quem nasceu depois disso tem regras ainda mais rígidas. Nascidos depois de 1978, por exemplo, tem que trabalhar até pelo menos os 68 anos de idade. Assim como no Brasil, a reforma da previdência britânica é um assunto antigo e que costuma gerar debates importantes. A diferença é que os súditos da rainha Elizabeth II iniciaram o processo nos anos 1990 e, de lá para cá, vêm cumprindo um calendário estabelecido para as mudanças. A alteração de hoje, por exemplo, foi confirmada em 2010.

Novas mudanças na idade mínima de aposentadoria serão feitas nos próximos anos. Em 2028, ela vai subir de novo para 67 anos de idade, antes de chegar a 68 anos possivelmente em 2037.  Na prática, os jovens que ingressam no mercado de trabalho britânico hoje já tem a perspectiva clara de que não vão se aposentar antes dos 70 anos. Atualmente o benefício máximo pago pelo governo do Reino Unido é de £ 175,20 por semana. Em dinheiro brasileiro, isso dá quase R$ 1,3 mil por semana. Certamente é muito para a realidade do Brasil, mas na Grã Bretanha é um benefício bem curto.

Até por este motivo, os trabalhadores são incentivados a também contribuir com planos de previdência privada. Por definição, todo trabalhador britânico é inscrito em um plano privado por seu empregador. Cada um dos lados normalmente contribui com 5% do salário para essa conta, que também tem idade mínima para retirada. A principal polêmica, no entanto, se deve ao fato das mulheres terem idade equiparada a dos homens para se aposentar. A equiparação foi realizada em um prazo curto, na opinião de grupos que atuam nesta causa e que chegaram a acionar a justiça, que deu ganho de causa para o governo. Em 2020, porém, o mercado de trabalho passa por uma nova sacudida trazida pela Covid-19. E os impactos da pandemia nesta questão tão delicada ainda são bastante incertos.