Paes quer testagem e abertura de leitos para combater pandemia no Rio

Reativação de quase 1.800 leitos do Sistema Único de Saúde (SUS) e programas de assistência social e saúde mental também fazem parte da lista de medidas a serem implementadas

  • Por Jovem Pan
  • 01/12/2020 07h41 - Atualizado em 01/12/2020 10h48
29/11/2020 - ESTEFAN RADOVICZ/AGÊNCIA O DIA/AGÊNCIA O DIA/ESTADÃO CONTEÚDOO prefeito Eduardo Paes frisou nesta segunda-feira, 30, que vai buscar parceria com os governos estadual e federal para enfrentar esta alta da pandemia do coronavírus

O governo eleito do prefeito Eduardo Paes já tem 10 medidas pra serem implementadas logo nos 100 primeiros dias da sua gestão para enfrentar o avanço da pandemia de Covid-19 na capital fluminense. A doença vem ganhando força em todo o Estado do Rio de Janeiro e, nesse momento, a situação em cidades vizinhas já é de alerta vermelha. Entre as medidas que serão implementadas estão: realização de testes em massa da população, 450 mil; abertura imediata de mais de 100 leitos em hospital da zona norte; reativação de quase 1.800 leitos do Sistema Único de Saúde (SUS) na cidade e a normalização no fornecimento de remédios e medicamentos. A ideia, depois de 10 meses de pandemia, é rastrear parentes e pessoas próximas aos infectados para evitar o contágio pela doença, algo que cidades bem sucedidas no combate à pandemia de Covid-19 já fizeram há meses. Um programa de assistência social e outro de saúde mental pra pessoas que foram infectadas também fazem parte dessa lista de 10 medidas a serem implementadas pelo novo secretário de saúde Daniel Soranz.

O prefeito Eduardo Paes frisou nesta segunda-feira, 30, que vai buscar parceria com os governos estadual e federal para enfrentar esta alta da pandemia do coronavírus. Para ele, saúde é a prioridade zero do seu terceiro mandato na cidade do Rio de Janeiro. “Pedi ao Daniel Soranz, desde que anunciei como meu secretário, que já fosse trabalhando algumas medidas, obviamente medidas que não pode tomar de imediato, somente a partir de 1º de janeiro. Vamos voltar e por as mãos no trato dessa questão da pandemia”, disse. O Estado do Rio de Janeiro se aproxima de 23 mil óbitos pela Covid-19 e quase 355 mil pessoas já foram infectadas. A taxa de ocupação continua alta, assim como a médica móvel continua subindo no estado fluminense.

*Com informações do repórter Rodrigo Viga