RJ vai ao STF por mais doses de vacina contra a Covid-19 na tentativa de frear variante Delta

Autoridades da cidade dizem que o Ministério da Saúde demora na distribuição dos imunizantes e tem estoques que somariam quase 10 milhões de doses

  • Por Jovem Pan
  • 22/08/2021 11h04
BRUNO MARTINS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO -21/08/2021 - 12:38A cidade do Rio concluiu nesta sexta-feira, 20, a imunização com primeira dose de adultos

A cidade do Rio de Janeiro está enfrentando um boom na pandemia de Covid-19 provocado pela variante Delta, de origem indiana. Esse é um dos motivos que levou a Prefeitura a ingressar com uma ação no Supremo Tribunal Federal para tentar conseguir mais vacinas para proteger a população contra a cepa. O Rio segue os passos do governo de São Paulo, que também foi até o STF para garantir a liberação de doses. As autoridades da cidade dizem que o Ministério da Saúde demora, não é célere, na distribuição dos imunizantes — e tem estoques que somariam quase 10 milhões de doses.

A Prefeitura do Rio de Janeiro entende que o STF pode ser o caminho para resolver essa lentidão e todo esse imbróglio no desembaraço e distribuição das vacinas. O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, afirmou que está bastante preocupado com o atual momento porque o Rio de Janeiro vive um pico de transmissão neste ano de 2021. “Nunca antes, no ano de 2021, nós vemos tantas pessoas com Covid-19 na cidade do Rio de Janeiro como neste momento. Pessoas próximas, familiares, amigos. Talvez eu, pessoalmente, nunca vi tanta gente com Covid no meu entorno como estou vendo neste momento.”

A cidade do Rio concluiu nesta sexta-feira, 20, a imunização com primeira dose de adultos. O sábado, 21, foi dia de repescagem. Se houver vacina disponível, na semana que vem, a cidade começa a imunizar adolescentes de 12 a 17 anos. Outro objetivo da Prefeitura do Rio de Janeiro é encurtar o intervalo da vacina da Pfizer entre as duas doses. E, mais do que isso, começar a aplicar a terceira dose de um imunizante nas pessoas da terceira idade.

*Com informações do repórter Rodrigo Viga