São Paulo deve sofrer explosão de casos da variante Delta em setembro, diz projeção

Levantamento concluiu que o tempo médio entre os primeiros registros da nova cepa e aumento expressivo das contaminações é de 80 dias; mutação já é responsável por 25% das infecções na Grande São Paulo

  • Por Jovem Pan
  • 19/08/2021 07h06 - Atualizado em 19/08/2021 16h35
EFE/Luis TorresDiante do cenário, especialistas temem consequências perigosas com o fim da quarentena decretado pelo governador João Doria

A cidade de São Paulo deve sofrer uma explosão de casos de Covid-19 a partir de setembro por causa do avanço da variante Delta. A previsão é de especialistas da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade Estadual de São Paulo (Unesp), que compararam dados de outros países onde a mutação do coronavírus é dominante, mesmo com a vacinação já avançada. O levantamento considerou o número de casos da doença por cem mil habitantes em Londres, Nova York e Israel, e concluiu que o tempo médio entre os primeiros registros e um aumento expressivo das contaminações foi de 80 dias. O sequenciamento genético feito no Rio de Janeiro aponta que a variante Delta já é predominante, com 60% das amostras analisadas. Estudos feitos em São Paulo mostram que o percentual da nova cepa é de cerca de 25% na Grande São Paulo, mas o laboratório, parceiro do Instituto Butantan no sequenciamento do vírus, já aponta que o valor vem crescendo.

Diante do cenário, especialistas temem consequências perigosas com o fim da quarentena decretado pelo governador João Doria a partir desta terça-feira, 17. Todos os setores da economia foram autorizados a funcionar sem limitação de horário ou restrição de público. Um dos pesquisadores disse que a preocupação é porque o Estado ainda tem porcentagem baixa de vacinação com a segunda dose. São Paulo já vacinou 93% da população adulta com a primeira dose, mas o total de segunda aplicação ou dose única é de 30%.

*Com informações do repórter Fernando Martins