Sem previsão de chegada de vacinas da Janssen, governo antecipa 7 milhões de doses da Pfizer

Ministério da Saúde admite que não há data para a chegada do imunizante da Johnson & Johnson ao Brasil; são 3 milhões de unidades com validade até agosto

  • Por Jovem Pan
  • 17/06/2021 07h46 - Atualizado em 17/06/2021 17h40
ADELEKE ANTHONY FOTE/THENEWS2/ESTADÃO CONTEÚDO - 11/06/2021O ministro Marcelo Queiroga anunciou a antecipação 7 milhões de doses da Pfizer para junho

O Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, anunciou na quarta-feira, 16, que o governo brasileiro conseguiu antecipar doses da vacina da Pfizer que só deveriam chegar ao Brasil em julho. Essa semana, o presidente Jair Bolsonaro, pessoalmente, pediu que fossem antecipadas 10 milhões de doses. O laboratório norte-americano atendeu parte do pedido, o que, segundo o ministro da Saúde deverá significar um fôlego extra na vacinação que avança pelo país. “E conseguimos hoje uma resposta da Pfizer atendendo à solicitação do Presidente da República de antecipar a entrega de 7 milhões de doses da Pfizer para o mês de julho. Então receberíamos 8 milhões de doses no mês de julho e vamos receber 15 milhões”, disse Queiroga. Chegou ontem ao Brasil uma nova leva de doses da vacina. Até o final da semana, o total deverá chegar a 2,4 milhões. No início da semana que vem, deverão chegar outros 4,8 milhões da Covax Facility, uma parceria internacional pra obtenção dos imunizantes. O contrato prevê 42 milhões de doses. Já foram distribuídos aqui no Brasil 5,5 milhões. Em meio a antecipações de entrega, o ministério ainda enfrenta problemas com atrasos.

Depois de ter previsto a chegada das vacinas da Janssen para essa semana, o Ministério da Saúde agora admite que não sabe imunizante deve chegar. O laboratório não repassou informações sobre datas. São 3 milhões de doses que teriam validade até o final do mês de junho. A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), ao analisar a questão, prorrogou essa validade até agosto, como já aconteceu, inclusive, nos Estados Unidos. O governo afirmou que só irá anunciar data de chegada quando as vacinas embarcarem. As doses são esperadas desde domingo. Uma das grandes vantagens do imunizante é o fato dele ser de dose única, ou seja, não será necessário guardar doses, todas serão aplicadas assim que chegarem ao país e vão imunizar completamente três milhões de pessoas. Ao todo, o contrato do Brasil com a Janssen é de 38 milhões de doses. A ideia inicial era destinar essas doses para os professores. Na quarta, o ministério anunciou também que recebeu 1 milhão de doses da CoronaVac, sendo que existe a previsão de outros 2 milhões até a sexta-feira, 18. Pra incentivar a vacinação, o ministro da saúde Marcelo Queiroga, pelo segundo dia consecutivo apareceu aplicando doses da vacina. Receberam o imunizante o ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, e o presidente da Caixa, Pedro Guimarães.

*Com informações da repórter Luciana Verdolin