Suspeitos de facilitar a fuga de dezenas no Paraguai são transferidos para mesmo presídio

  • Por Jovem Pan
  • 23/01/2020 07h29 - Atualizado em 23/01/2020 08h19
Reprodução/Porã NewsVale ressaltar que Pedro Juan Caballero é um território estratégico para o PCC porque a cidade é utilizada pela facção para trazer cocaína ao Brasil

Os 32 agentes penitenciários acusados de ajudar na fuga de presos no Paraguai foram detidos no mesmo local onde trabalhavam. Eles são acusados de ter auxiliado os 76 detentos a escapar da prisão de Pedro Juan Caballero em troca de R$ 330 mil.

O caso aconteceu na madrugada do último domingo (19).

O número de presos recapturados pela polícia paraguaia continua subindo. Nesta quarta-feira (22), o fugitivo Cristian Javier Benitez foi pego e disse que foi convencido pelo pai a se entregar à Polícia.

Segundo o jornal ABC Color, Benitez afirmou que os chefes do PCC fugiram pela porta de entrada do presídio nas primeiras horas do domingo.

A situação preocupou o governador de São Paulo, João Doria, que ordenou o aumento no efetivo de viaturas e policiais militares nas rodovias estaduais paulistas.

Segundo o porta-voz da Polícia Militar, tenente-coronel Emerson Massera, a polícia está com mais de 13 mil policiais atuando nas estradas.

“Como a facção criminosa que pertencem é de São Paulo, nós já iniciamos imediatamente algumas operações nas dividas e rodovias para identificar uma eventual tentativa de imigração.”

As autoridades paraguaias e brasileiras seguem procurando os demais fugitivos. Segundo o Ministério da Justiça e o Ministério do Interior do Paraguai, 40 deles são brasileiros.

Vale ressaltar que Pedro Juan Caballero é um território estratégico para o PCC porque a cidade é utilizada pela facção para trazer cocaína de países andinos ao Brasil. Uma vez no território nacional, a droga é enviada aos principais portos do país e, de lá, exportada para Europa, África e Ásia.

*Com informações do repórter Leonardo Martins