TRF-1 adia para a próxima semana análise sobre afastamento de Salles

O Ministério Público Federal alega que a permanência do ministro no cargo prejudica as ações de preservação do meio ambiente

  • Por Jovem Pan
  • 28/10/2020 07h33 - Atualizado em 28/10/2020 07h54
EDU ANDRADE/FATOPRESS/ESTADÃO CONTEÚDORicardo Salles tem negado as acusações e se defende afirmando que o pedido é uma tentativa de interferência indevida em políticas públicas

O Tribunal Regional Federal da 1ª Região adiou para a próxima semana a análise do pedido de afastamento do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. A decisão deve acontecer no dia 3 de novembro, terça-feira. O pedido foi feito pelo Ministério Público Federal (MPF) em julho desde ano sob alegação que o ministro teria desestruturado as políticas ambientais e esvaziado a pasta. Ricardo Salles tem negado as acusações e se defende afirmando que o pedido é uma tentativa de interferência indevida em políticas públicas. O Ministério Público tem cobrando um decisão rápida à Justiça, alegando que a permanência de Salles no cargo prejudica as ações de preservação do meio ambiente. No entanto, no Palácio do Planalto o entendimento é que não cabe à Justiça analisar este tipo de pedido.

No geral, além de resistências externas, Ricardo Salles também enfrenta problemas dentro do próprio governo. Na semana passada, ele se desentendeu publicamente com o ministro da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos. O episódio aconteceu após Salles, por meio das redes sociais, acusar o colega de estar fazendo fofoca, chamando o general de “Maria Fofoca” pelo Twitter. O comentário de Salles gerou repercussão entre parlamentares, que saíram em defesa do militar. No domingo, 25, o ministro afirmou que o assunto já havia sido encerrado após um “pedido de desculpas pelo excesso”. Ricardo Salles e Luiz Eduardo Ramos se  encontraram nesta terça-feira, 27, durante reunião ministerial no Palácio do Alvorada.

*Com informações da repórter Luciana Verdolin