Vinholi defende Doria e garante: ‘Ninguém vai ficar sem atendimento em SP’

Secretário afirmou que governador não mentiu ao dizer que não iria endurecer as medidas de combate à pandemia após eleições

  • Por Jovem Pan
  • 02/12/2020 10h14
Felipe Rau/Estadão ConteúdoNa última segunda-feira, 30, foi anunciado que todo o Estado foi reclassificado para a Fase 3 - Amarela do Plano São Paulo

O secretário do Desenvolvimento Regional do Estado de São Paulo, Marco Vinholi, afirmou que o governador João Doria não mentiu ao dizer que não iria fechar o comércio ou endurecer as medidas de combate à pandemia após as eleições. No dia 13 de outubro, Doria fez uma publicação em seu Twitter em que dizia “repudiar mais uma fake news, um absurdo que estão inventando”. Porém, na última segunda-feira, 30, foi anunciado que todo o Estado foi reclassificado para a Fase 3 – Amarela do Plano São Paulo, regredindo regiões que já estavam na Fase 4 – Verde. “Ele se referia ao dia 15 de novembro e não teve lockdown nesse período. A afirmação dele foi correta, relativa ao primeiro turno. Tudo foi passado com realidade e transparência.”

Em entrevista ao Jornal da Manhã, da Jovem Pan, Vinholi ressaltou que, após o primeiro turno das eleições, o agendamento das cirurgias eletivas do Estado foi cancelado e os leitos estão sendo preservados por segurança. De acordo com ele, a piora dos números aconteceu principalmente no ABC Paulista, na Baixada Santista e na região de Sorocaba. “O Estado segue seguindo a ciência e resguardando a vida de todos. São 62 cidades com índices mais contundentes, mas todo o processo de combate à Covid-19 é necessário nesse momento”, disse. Entre as medidas que passam a valer a partir desta quinta, estão: restaurantes fecham portas às 22h, capacidade máxima do comércio limitada em 40% e funcionamento limitado a 10 horas por dia. Eventos com pessoas em pé também estão proibidos.

Marco Vinholi lembrou que o principal ativo do Estado na pandemia foi não ter deixado ninguém sem atendimento e que essa continua sendo a máxima do governo de João Doria. Entre as ações decididas na quarta-feira, 1º, em reuniões internas, estão: aumento da testagem, isolamento de contatos, fiscalização de protocolos, preocupação com as festa de fim de ano e o incentivo ao distanciamento social. Mesmo com todas essas medidas, o secretário garantiu que a ocupação dos leitos ainda está em um patamar muito abaixo do que o pior momento da pandemia. “O que posso garantir é que ninguém vai ficar sem atendimento”, completou. Por isso, ele reforçou a importância de tomar cuidado com as festas de final de ano, porque isso pode impactar os números da pandemia no Brasil.