Voo 1907: Acidente com avião da Gol que matou 154 pessoas completa 15 anos

Em 29 de setembro de 2006, aeronave com destino ao Rio de Janeiro se chocou no ar com um jato Legacy, causando a morte de todos os passageiros do voo comercial

  • Por Jovem Pan
  • 02/10/2021 10h42 - Atualizado em 02/10/2021 13h11
Sebastião Moreira/Estadão Conteúdo Sebastião Moreira/Estadão Conteúdo Episódio aconteceu em 29 de setembro de 2006, quando o voo comercial 1907, da Gol, se chocou no ar com um jato executivo

Um dos maiores acidente aéreos do Brasil completou 15 anos nesta semana. O episódio aconteceu em 29 de setembro de 2006, quando o voo comercial 1907, da Gol, se chocou no ar com um jato executivo, causando a morte de todas as 154 pessoas que estavam no avião. O avião saia de Manaus com destino Rio de Janeiro. No entanto, antes mesmo de chegar para a escala em Brasília, a aeronave bateu no jato Legacy, que tinha saído de São José dos Campos, interior de São Paulo, e seguia para os Estados Unidos. No comando, dois pilotos norte-americanos conseguiram, após o choque, fazer um pouso de emergência. O relatório final do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos da Força Aérea Brasileira apontou que, entre os fatores que contribuíram para o acidente, está o transponder, uma ferramenta anticolisão que estava desligada. A investigação policial concluiu negligência dos pilotos.

O piloto e especialista em aviões, Lito Sousa, avalia que é difícil atestar culpados. “Para quem opera a aviação é muito difícil imaginar que alguém faz uma coisa proposital. Eles são culpados por terem errado grosseiramente? Acredito que sim, pode ser que a falta de treinamento tenha os levado ao erro? Acredito que também. Esses pontos precisam ser bem avaliados, não poderia falar se eles foram culpados”, disse. Os pilotos chegaram a ser condenados a três anos de prisão, mas o Departamento de Justiça norte-americano afirmou que os Estados Unidos não possuem mecanismos para aplicar sentença brasileira.

O Ministério Público Militar também denunciou cinco controladores de voo por não seguirem procedimentos de segurança, mas apenas um foi condenado. Segundo Lito, o acidente foi responsável por uma série de mudanças e melhorias no controle de tráfego aéreo nacional. “Até aquele momento, apenas militares controlavam o espaço aéreo brasileiro, hoje já temos uma mistura entre militares e civis. Inclusive, a gente teve assessoria do controle de espaço aéreo da Suíça para implementar melhorias no nosso controle, que hoje é um dos melhores do mundo”, afirmou. Em nota, a Gol disse que não iria comentar o caso. A empresa pagou indenização às famílias das vítimas na época do acidente.

*Com informações da repórter Carolina Abelin