Após revogar suspensão, Bruno Covas garante segurança em parques: “serviço não foi interrompido”

  • Por Jovem Pan
  • 01/08/2018 16h03
Divulgação/Prefeitura de SP"Foi uma questão meramente administrativa, burocrática. A população não sentiu nenhuma diferença", afirmou o presidente

A Prefeitura de São Paulo justificou o vai e volta nos contratos de segurança e zeladoria dos parques municipais por uma necessidade administrativa.

No começo da semana, o município havia suspendido vinte e quatro convênios de prestação de serviço que eram realizados nas áreas verdes da cidade.

Nesta quarta-feira (1°), a administração publicou no Diário Oficial a revogação da suspensão e agora as ações voltam a vigorar como antes.

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas, disse, sem entrar em detalhes, que esse vai e volta ocorreu por uma necessidade burocrática e que os serviços não foram afetados.

“Foi uma questão meramente administrativa, burocrática. A população não sentiu nenhuma diferença. O serviço não foi interrompido, foi apenas uma questão administrativa para poder deixar todo mundo tranquilo em relação ao cumprimento dos contratos. Do ponto de vista prático, não houve nenhuma suspensão, nenhuma paralisação do serviço que foi feito, não há nenhuma dificuldade orçamentaria financeira para pagar esses contratos”, afirmou o prefeito.

Somados, os contratos totalizam um desembolso de noventa e quatro milhões de reais.

Os convênios abrangem serviços de limpeza, conservação, segurança, zeladoria nos parques e em algumas áreas específicas como o planetário do Ibirapuera.

*Com informações do repórter Tiago Muniz