‘Não é o processo de Lula que será jogado no lixo, mas a sentença de um juiz parcial’, diz advogado

Em entrevista ao Morning Show, Augusto de Arruda Botelho analisou diálogos da Lava Jato e afirmou: ‘Problema não é Moro e Dallagnol conversarem, mas sim combinarem estratégias’

  • Por Jovem Pan
  • 08/02/2021 13h45 - Atualizado em 08/02/2021 13h57
Imagem: Reprodução/Morning ShowPara o advogado Augusto de Arruda Botelho, defesa de Lula deve acessar conversas entre Dellagnol e Moro

Em entrevista ao programa Morning Show, da Jovem Pan, nesta segunda-feira, 8, o advogado criminalista Augusto de Arruda Botelho defendeu a anulação do julgamento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva devido a uma suposta “parcialidade” do juiz durante o processo. A temática voltou ao centro do debate político após uma decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, que retirou o sigilo de conversas entre o ex-juiz Sergio Moro e o procurador Deltan Dallagnol a pedido da defesa de Lula. Segundo os advogados do ex-presidente, as mensagens – que foram incluídas no processo do tríplex do Guarujá, de 2018, revelam perseguição política a Lula. O Supremo deve decidir nesta terça-feira, 9, manter ou anular o acesso da defesa do ex-presidente às conversas. “Com certeza, a liberação do acesso às mensagens para os advogados do ex-presidente Lula é correta porque serão utilizadas pela defesa em recursos de Lula e de outros réus ou investigados na Operação Lava Jato. O que me incomoda é a publicidade destas conversas, não consigo entender, do ponto de vista técnico, a importância de divulgá-las para a sociedade, de torná-las públicas”, disse o advogado criminalista.

Nas mensagens, que vieram à tona a partir da invasão de hackers a celulares de autoridades, o ex-juiz Sergio Moro orienta o procurador Dallagnol sobre o processo de Lula. Para Augusto de Arruda Botelho, a conversa entre Moro e Dallagnol não configura necessariamente um problema, mas a troca de mensagens sugerindo decisões sim. “Uma coisa é haver uma conversa entre os procuradores e juízes, mas combinar estratégias, antecipar e sentenças e sugerir provas é outra coisa completamente diferente. Também converso com juízes porque tenho amigos na área, mas não dialogamos sobre nossos processos. Obviamente Moro e Deltan podem ter amizade, mas não podem combinar decisões judiciais”. O advogado ressalta que a anulação do julgamento não descarta as acusações contra o ex-presidente.

“Não estamos discutindo a absolvição de Lula, ninguém dirá se ele cometeu o crime ‘A’ ou ‘B’. O recurso que será julgado pelo Supremo discute a parcialidade do juiz no processo, o que é completamente distinto de julgar o mérito da acusação – até porque, a condenação de Lula foi confirmada em outras instâncias”, explicou. Desta forma, o advogado criminalista defendeu que julgamentos parciais devem ser anulados. “Sou favorável à anulação de vários julgamentos feitos por juízes parciais, que combinam a estratégia processual e indicam provas a uma parte do processo. Não é o processo de Lula que será jogado no lixo, ele poderá ser julgado por outro juiz. O que será jogado no lixo é a sentença de um juiz parcial. O caso de Lula é apenas um entre os vários que tiveram as sentenças decididas por juízes parciais”. Lula foi preso em 2018 e perdeu direitos políticos a partir da condenação proferida pelo ex-juiz Sergio Moro.

Confira na íntegra a entrevista com o advogado Augusto de Arruda Botelho: