Augusto Nunes comemora suspensão de liminar que proibia volta às aulas e ataca sindicatos: ‘Ignoram a Constituição’

Apresentador deu suas opiniões sobre o retorno das atividades presenciais nas escolas em São Paulo no programa Os Pingos Nos Is desta sexta-feira, 29

  • Por Jovem Pan
  • 29/01/2021 20h05
Prefeitura de São Paulo/DivulgaçãoAugusto Nunes criticou fechamento das escolas por conta da pandemia

Na tarde desta sexta-feira, 29, O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) suspendeu a liminar que proibia o retorno das aulas presenciais no Estado após o governo apresentar um recurso, dizendo que toma medidas para evitar o avanço da Covid-19. Com isso, as aulas nas escolas estaduais deverão voltar no dia 8 de fevereiro. No programa Os Pingos Nos Is desta sexta, o comentarista Augusto Nunes comemorou a volta às aulas, dizendo que “felizmente”, a decisão da juíza foi revogada. Ele também criticou os sindicatos que estão se mobilizando de forma contrária ao retorno, dizendo que eles ‘ignoram a Constituição’. “Eles (sindicatos) alegam o risco de vida corrido pelos professores, funcionários e estudantes e invocam o artigo nº5 da Constituição, que garante o direito à vida. Os sindicatos defendem o direito à vida, eles então podem ignorar que existe o artigo nº205 da Constituição, que estabelece o direito à educação. O texto constitucional informa que isso é um dever do Estado, que deve cumpri-lo com a mobilização da sociedade e não com sindicatos que se mobilizam contra qualquer ameaça de volta ao emprego”, disse Augusto Nunes, que continuou: “professores das escolas públicas estão ganhando a quase um ano sem trabalhar porque a aulas à distância são uma piada no Brasil. Seis milhões de brasileiros não têm internet em casa. São incontáveis os brasileiros que não podem contar com a ajuda dos pais”.

Além disso, o comentarista também afirmou que as crianças são responsáveis por um número “insignificante” de infecções pelo novo coronavírus e que medidas de distanciamento são o suficiente para evitar um aumento no contágio. “As crianças não são testadas em grupos de testes de vacina. Tão insignificante é o peso de gente dessa idade sobre o comportamento do coronavírus. Não são agentes transmissores. Transmitem em uma quantidade insignificante de casos. Adotadas medidas indispensáveis de distanciamento social, você elimina qualquer risco. Todas as organizações internacionais vinculadas à saúde defendem a volta às aulas presenciais”, disse Augusto Nunes, que continuou: “No Brasil, as quarentenas escolares começaram há quase um ano. Um ano perdido. Os pediatras, os especialistas, cada vez de modo mais enfático, vêm advertindo para os graves distúrbios psicológicos e prejuízos intelectuais causados pela quarentena”.

Confira a íntegra do programa Os Pingos Nos Is desta sexta-feira, 29: