Augusto Nunes diz que Bolsonaro não vai decretar guerra contra os EUA: ‘Maluquice’

Fala sobre usar ‘pólvora’ para proteger a Amazônia gerou reações de personalidades como o embaixador dos EUA no Brasil, Todd Chapman, e o vice-presidente Hamilton Mourão

  • Por Jovem Pan
  • 11/11/2020 20h32 - Atualizado em 09/02/2021 19h37
Marcos Corrêa/PREm discurso, presidente afirmou que, “quando acaba a saliva tem que ter pólvora”, ao citar possíveis sanções econômicas dos EUA

Nesta terça-feira, 10, o presidente Jair Bolsonaro criou mais uma polêmica ao falar em usar “pólvora” para proteger a Amazônia, em resposta a uma declaração do presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, durante a campanha, sobre a possibilidade da imposição de sanções ao Brasil por causa da destruição da floresta. A declaração gerou reações de personalidades como o embaixador dos Estados Unidos no BrasilTodd Chapman, e o vice-presidente Hamilton Mourão, que disse ter se tratado de uma referência a um “aforismo antigo”. Para o comentarista Augusto Nunes, do programa Os Pingos nos Is, da Jovem Pan, “só pessoas malucas” achariam que Bolsonaro iria querer declarar guerra contra os EUA.

“O Bolsonaro poderia ter silenciado esse tipo de maluquice, essa reação doentia, dizendo o que ele sempre diz, que foi força de expressão, que é mais ou menos o que disse o general Mourão, e encerrar o assunto. Porque senão o pessoal fica como o próprio presidente previu ontem, enquanto ele falava dizia que a imprensa teria assunto pra burro hoje”, afirmou. Augusto também pontuou que Joe Biden é “um tremendo conservador” e que, durante o tempo que esteve à frente da Comissão de Relações Exteriores, “nunca tomou uma posição agressiva com ninguém”. “E ainda assim acham que vai ter uma guerra entre EUA e Brasil. Essas pessoas me dão pena”, acrescentou.

A comentarista e ex-jogadora de vôlei, Ana Paula Henkel, criticou a hipocrisia do politicamente correto. Segundo ela, é ilusão acreditar que Biden vai resolver os problemas dos Estados Unidos, como o racismo e a Covid-19. “Biden realmente chegou para resolver tudo, não tem mais racismo, a Covid-19 acabou, já pode se aglomerar nas ruas”, ironizou. “As pessoas comemorando a possível vitória dele, muita gente na rua mesmo, cantando, ninguém respeitando a distância das novas medidas sanitárias”, disse.