Queimadas na Amazônia diminuem 7% em relação a 2019, diz Embrapa

Período é de 1º de janeiro a 3 de setembro de 2020; no Brasil, não houve aumento nos incêndios com relação ao ano passado

  • Por Jovem Pan
  • 04/09/2020 21h08
EFE/Joédson AlvesMesmo assim, foi lançada nesta semana na internet uma campanha chamada “Defund Bolsonaro”, algo como cortar o financiamento a Bolsonaro

Segundo dados enviados ao programa Os Pingos nos Is, da Jovem Pan, pelo doutor em Ecologia e chefe-geral da Embrapa Territorial, Evaristo de Miranda, o total de queimadas registradas pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) no País até o dia 3 de setembro de 2020 foi de cerca de 94 mil, o mesmo número do ano passado. O período compreende, inclusive, o mês de agosto, tradicionalmente recordista em números de queimadas, por ser o mais seco do ano.

No Brasil não houve aumento nas queimadas com relação ao ano passado, ao contrário da Argentina, cuja alta foi de 185% e do Paraguai, cujo aumento foi de 90%, segundo os dados do satélite de referência da NASA, totalizados pelo INPE. Na verificação separada dos biomas brasileiros, observa-se que, de acordo com os dados, houve uma redução de 7% das queimadas na Amazônia em 2020 (45.065) em relação ao mesmo período do ano passado (48.722).

Campanha contra Bolsonaro

Mesmo assim, foi lançada nesta semana na internet uma campanha chamada “Defund Bolsonaro”, algo como cortar o financiamento a Bolsonaro, em inglês. A principal peça da campanha é um vídeo, divulgado pela Apib (Associação dos Povos Indígenas do Brasil) em parceria com outras entidades de defesa ao meio ambiente. Na peça, que tem cerca de um minuto, lugares em diversas partes do mundo aparecem pegando fogo e repletos de fumaça. O vídeo diz que “os incêndios não são naturais”, mas sim “sintomas de uma infecção ecológica criada por corporações parasitas e ganância globalizada e fomentada por Bolsonaro”.

“Bolsonaro permite isso. Enquanto seu banco, seu governo, as marcas que você compra e as empresas de comida que te alimentam dão apoio a ele”, afirma o texto em certo ponto. O ministro do Gabinete de Segurança Institucional, General Augusto Heleno, chegou a se manifestar sobre o assunto: “Brasileiros, com apoio de ONGs e capital estrangeiros, estão se mobilizando na Europa, em campanha contra o Gov Bolsonaro. Usam dados e argumentos mentirosos sobre a Amazônia e o Brasil. Ato impatriótico que prejudica o agronegócio, acordos comerciais e a imagem do País”, escreveu nas redes sociais.

Assista ao vídeo: