Lançando especial na Netflix, Afonso Padilha afirma: ‘A pobreza é genética’

Humorista participou do programa Pânico nesta sexta-feira, 4

  • Por Jovem Pan
  • 04/09/2020 14h12 - Atualizado em 04/09/2020 14h18
Divulgação/NetflixAfonso Padilha estreou 'Alma de Pobre' na Netflix no dia 3 de setembro

Humorista Afonso Padilha, do grupo 4 Amigos, participou nessa sexta-feira, 4, do programa Pânico e falou sobre seu novo especial de comédia ‘Alma de Pobre’ que estreou na Netflix nesta quinta-feira, 3. “Gravamos em novembro do ano passado e foi uma gravação muito maneira, eu rodei esse show durante um ano e pouco. Tem muito comediante que fala sobre esse universo ‘pobre’ e eles fazem uma comparação rico e pobre, mas nesse show não é uma comparação, é sobre ganhar dinheiro e continuar sendo pobre. É quase uma cultura. Acho que a pobreza é genética”, explicou.

E quanto ele recebeu pelo show? De forma divertida, o humorista contou ao elenco do programa. “Eu tinha marcado show em BH, que é a melhor plateia de stand-up do Brasil. Ia fazer por minha conta o DVD. Colocamos os ingressos para vender e enchemos três sessões em um mês. Aí eu pensei ‘estorei, vou conseguir pagar tudo’. Meses depois a Netflix começou a especular que podíamos fazer junto, mas tinha que ser em São Paulo. Eu queria em BH, bati o pé, mas eles falaram ‘200 mil reais’ e eu perguntei ‘quando em São Paulo?'”, disse arrancando risos.

Renovando suas piadas no tempo que passou com a mãe em Curitiba durante a quarentena, Afonso contou que realizou um sonho dela assim que recebeu seu primeiro cachê. “Minha mãe criou três filhos sozinha e ganhava 600 reais, nem sei como ela conseguia pagar todas as contas. A primeira grana que recebi, comprei uma casa na praia para ela, com piscina, em Santa Catarina. Sempre ouvia ela falar sobre o sonho de morar na praia, então fiz uma surpresa”, disse.