Rica Perrone fala sobre o futuro de Messi: ‘Quero que todas as chances dele de carreira virem pó’

Jornalista participou do Programa Pânico nesta quarta-feira, 26

  • Por Jovem Pan
  • 26/08/2020 14h38
ReproduçãoRica Perrone participou do Pânico nesta quarta-feira (26)

O jornalista esportivo Rica Perrone participou do programa Pânico desta quarta-feira (26) e comentou sobre política e futebol. Ele não titubeou ao responder sobre o assunto mais quente do momento: a saída de Lionel Messi do Barcelona. “Não gosto dele porque é argentino. Quero que todas as chances dele de carreira virem pó”, comentou em tom de brincadeira. Depois do vexame do Barça na Liga dos Campeões, eliminado nas quartas de final do torneio europeu ao perder por 8 a 2 para o campeão Bayern de Munique, o craque quer deixar o time espanhol e deve ir para o Manchester City, do treinador catalão Pep Guardiola.

Perrone também falou sobre outro tema polêmico no futebol, a disputa pelos direitos de transmissão de jogos no Brasil. Ele falou que o futebol nacional precisa se modernizar enquanto negócio. “Eu sempre fui um cara romântico, sou contra os times que têm dono, mas hoje acho que tem que vender os clubes, porque não dá mais. Nenhum movimento de nenhum clube é feito para um futebol melhor”, lamentou o jornalista.

Política e tretas

Ainda na entrevista, Rica Perrone falou sobre política. Segundo ele, existe um medo das pessoas se posicionarem, mas não ter posição política não é um problema. “É difícil pegar alguém que não é da política e fazer ele se manifestar politicamente. Você pergunta para jogador ou pagodeiro sobre isso e eles desviam do assunto. Mas não é importante que todo mundo tenha posicionamento, acho que as pessoas não têm que se meter”, disse. Perrone ainda acredita que hoje, quem não vota na esquerda se sente tolido de falar e sofrer retaliação.

Polêmico, o jornalista comentou sobre sua “treta” com o ex-jogador Casagrande. “Eu acho que as pessoas tem que ter direito de falar, mas eu não dou dicas de alimentação porque sou gordo. Certas pessoas podem falar de algumas coisas e outras não. Quando eu vejo o Casagrande se tornar um grande militante da esquerda, tudo que é alinhado à imprensa se coloca em um patamar que não merece. Não tenho nada contra ele, mas não entendo porque a Globo o coloca como uma referência no domingo”, disse Perrone que ainda disse que o comentarista não foi um bom jogador e que, no nível que o futebol brasileiro está hoje, ele poderia até jogar.