Leo Dias: Saída de Maisa e parceria com CNN podem dar nova cara ao SBT

Leo Dias e Ligia Mendes analisaram no Tô na Pan desta terça-feira (6) as novidades na emissora de Silvio Santos

  • Por Jovem Pan
  • 06/10/2020 13h17
Reprodução/Instagram/maisaApós 13 anos, Maisa Silva deixou o SBT e já tem projetos confirmados com a Netflix

O Tô na Pan desta terça-feira (6) falou sobre a grande bomba da semana, quiçá do ano na televisão brasileira: a saída de Maisa Silva do SBT, após 13 anos de parceria com a emissora de Silvio Santos. Na conversa com Leo Dias e Ligia Mendes, participaram os colunistas Jorge Luiz Brasil, da revista “Minha Novela”, e Carla Bittencourt, do jornal “Extra”. “A gente imaginava que um dia isso fosse acontecer, como foi com a Larissa Manoela, mas não imaginávamos que ia ser por agora. Mas penso que uma menina que trabalha desde o três anos tenha vontade de uma vida mais livre”, avaliou Carla.

Leo Dias lembrou que a saída de Maisa é discutida nos bastidoras do SBT há tempos, mas não é por isso que o baque é menor para a emissora. Com projetos já confirmados na Netflix, é esperado que a carreira da jovem atriz e apresentadora decole agora que ela terá mais tempo para projetos diversos. Paralelamente, a emissora paulista, que está prestes a completar 40 anos no ar, está bastante interessada em uma parceria com a novata CNN Brasil. A licenciada norte-americana quer expandir o alcance de audiência, além das receitas, mirando em uma parceria jornalística com um canal aberto.

“A impressão que tenho é que no SBT nada é duradouro. Para mim, essa parceria vai durar dois meses. Eles não dão continuidade aos projetos que dão certo, mudam as ideias a cada semana e mexem demais na grade. O SBT vai fazer 40 anos e parece tudo feito por estudantes do 7º ano da escola. Parece uma emissora amadora, e sabemos que não é”, disse Carla. Para Jorge, o SBT dá a impressão de estar parado no tempo. “São investimentos em novelas infantis que duram dois anos e não conseguem investir em outro tipo de dramaturgia, faltam programas de auditório com diferencial e o jornalismo é muito fraco. Então eu gosto de ver o SBT tentar se reinventar.”

Assista ao Tô na Pan: