Amigos do jovem que lançou banana organizarão ato para evitar “linchamento”

  • Por Agencia EFE
  • 30/04/2014 10h57
Daniel Alves foi vítima de racismo

Os amigos e vizinhos de David Campayo Lleo, o jovem que atirou uma banana em direção ao jogador brasileiro Daniel Alves, se mobilizaram perante o que consideram um “linchamento exagerado” e, inclusive, organizarão uma concentração amanhã, quinta-feira, na Praça Maior de Villarreal.

O fato, que ocorreu no último domingo, durante uma partida entre Villarreal e Barcelona pelo Campeonato Espanhol, ganhou uma grande repercussão internacional, principalmente no Brasil, onde inúmeras personalidades – oportunamente ou não – iniciaram um movimento solidário nas redes sociais contra o racismo.

Na ocasião, aos 30 minutos do segundo tempo, quando o lateral do Barcelona se preparava para cobrar um escanteio, o torcedor do Villarreal lançou uma banana em direção ao brasileiro, que, em um gesto espontâneo, não hesitou em comê-la para minimizar a agressão.

Após ser identificado, Lleo, de 25 anos e que também trabalhava no clube, foi demitido, teve seu título de sócio caçado e acabou banido para sempre dos jogos clubes no estádio El Madrigal, além de ter sido preso pela polícia nesta manhã. Por conta da agressão ao jogador brasileiro, o jovem torcedor poderá pegar até três anos de prisão, segundo a lei espanhola.

Desta forma, para evitar o que consideraram como “uma extrema criminalização” por parte da imprensa, amigos do torcedor organizaram uma concentração sob o lema “Somos Todos David”, em uma referência a campanha criada pela agência publicitária que assessora o jogador Neymar (#somostodosmacacos).

Segundo os manifestantes, essa abordagem “não faz mais do que sujar o nome da cidade e de seus habitantes”. Um porta-voz da família do jovem assinalou à Agência Efe que “uma coisa é o erro que o jovem cometeu, que terá que pagar por ele, e outra é o linchamento que está sofrendo de maneira tão desproporcional”.