Seleção da Dinamarca pede mudança das regras da Uefa após mal súbito de Eriksen

Presidente do DBU criticou a União por oferecer aos jogadores a opção de retomar a partida depois do atleta sofrer uma parada cardíaca durante o jogo

  • Por Jovem Pan
  • 16/06/2021 11h26 - Atualizado em 16/06/2021 18h29
EFE/EPA/Friedemann Vogel/POOLA partida entre Dinamarca e Finlândia foi retomada após uma pausa de duas horas

O presidente da Federação Dinamarquesa de Futebol (DBU), Jesper Moller, criticou a decisão da Uefa (União das Federações Europeias de Futebol) de oferecer aos jogadores da Dinamarca Finlândia a opção de retomar a partida válida pela primeira rodada da Eurocopa após o meio-campista Christian Eriksen, camisa 10 da seleção dinamarquesa, sofrer uma parada cardíaca. Aos 43 minutos do jogo, disputado no Estádio Parken, em Copenhagen, o armador caiu desacordado no gramado, foi reanimado e precisou ser levado ao hospital. A partida foi retomada após uma pausa de duas horas.“Essa é uma situação em que jogadores e treinadores não devem ser colocados. Não é e não deve ser decisão deles”, disse Moller sobre o poder de escolha que a Uefa deu aos atletas, segundo informações da BBC Londres.“Foi uma decisão errada e completamente insustentável que os jogadores tivessem que estar em campo logo após a experiência horrível”, completou.

O presidente da DBU pediu uma avaliação de todo o processo de tomada de decisão para que possam ser colocados todos os “fatos e informações relevantes sobre a mesa”. “Devemos olhar para uma mudança nas regras para garantir que nunca mais estaremos na mesma situação. Estamos prontos para apresentar uma resolução à Uefa.” Em comunicado, a entidade afirmou que “tratou o assunto com o maior respeito pela situação delicada e pelos jogadores”. “Foi decidido reiniciar o jogo apenas depois de as duas equipas terem pedido para terminar o jogo na mesma noite”. Na terça-feira, 15, o armador da Inter de Milão fez a sua primeira publicação no Instagram desde o mal súbito que sofreu. Estou bem, dadas as circunstâncias”, escreveu o jogador de 29 anos. O atleta ainda está internado em um hospital de Copenhagen para realizar mais exames.