Torcedor do Athletico-PR é demitido por arremessar cerveja em Luciano Hang

Em nota, o escritório lamenta o incidente ocorrido na final da Copa do Brasil e explica a decisão de desligar o advogado Eduardo Alves

  • Por Jovem Pan
  • 18/12/2021 15h28 - Atualizado em 18/12/2021 15h29
Reprodução/Twitter/@LucianoHangBr Luciano Hang esteve na Arena da Baixada para acompanhar a final da Copa do Brasil Luciano Hang esteve na Arena da Baixada para acompanhar a final da Copa do Brasil

Um torcedor do Athletico-PR foi demitido do escritório de advocacia Araúz & Advogados por ter arremessado um copo de cerveja em Luciano Hang, dono da Havan, na final da Copa do Brasil, disputada na última quarta-feira, na Arena da Baixada, em Curitiba, contra o Atlético-MG. Em nota, a empresa lamenta o incidente e explica a decisão de desligar o advogado Eduardo Alves. “O Araúz Advogados vem a público para reforçar que não tolera atos de violência contra qualquer indivíduo ou instituição… Registramos, novamente, que repudiamos toda e qualquer forma de agressão física ou verbal e não coadunamos com tais práticas em nosso dia a dia de trabalho. O ato isolado deste profissional, embora já desligado, não representa a nossa cultura, nem nossos valores”, escreveu o escritório em publicação divulgada nas redes sociais.

Já Eduardo Alves, por sua vez, até esclareceu que sua atitude não foi condizente com a situação, mas deu explicações sobre o motivo para ter arremessado o copo em Luciano Hang, apoiador do presidente Jair Bolsonaro (PL). “Danoso, criminoso, irreparável e vexatório é usar de sua influência, motivada pelo dinheiro, para promover políticas públicas que mataram, faliram, desempregaram e prejudicaram de tantas formas a da população brasileira. Hoje perdi meu emprego, estou sendo ameaçado, minha vida virou um inferno. Mas preciso dizer: Sr. Hang, você é o que há de mais podre nesse país, e gente como você eu vou enfrentar todos os dias da minha vida, até o fim”, publicou Alves.

Através de sua assessoria de imprensa, Luciano Hang, na ocasião, disse que o ataque foi feito por “esquerdistas” e lamentou o ocorrido. “Nem Jesus Cristo agradou 100%. Quando estava no jogo, assim como acontece em todos os lugares, recebi milhares de abraços e carinho de milhares de fãs, fiz muitas fotos… Mas sempre tem um esquerdista rancoroso, com o famoso ódio do bem, aquela pessoa que não tendo argumentos partem para o ataque físico. Normal para mim. O que importa é estar ao lado da maioria dos brasileiros de bem e a favor do Brasil”, disse o empresário.

Confira a nota do escritório na íntegra:

O Araúz Advogados vem a público para reforçar que não tolera atos de violência contra qualquer indivíduo ou instituição. Após tomar conhecimento, pelas redes sociais, de um ato inaceitável praticado por um profissional de nosso escritório contra o empresário Sr. Luciano Hang, durante partida de futebol realizada na capital paranaense no dia 15.12.2021, na Arena da Baixada, o Araúz Advogados decidiu desligar o referido profissional de seu quadro de colaboradores e o afastar de suas funções de forma definitiva, na data de hoje.

Ao empresário Sr. Luciano Hang e a todos que se ofenderam com o ato referido, o Araúz Advogados indica o devido apoio. Com mais de 100 advogados, 21 anos de trajetória e presença nacional, o escritório Araúz Advogados, acima de tudo, defende os direitos e pautas de sua base de clientes, formada principalmente por participantes do agronegócio e do cooperativismo brasileiro no antes, no dentro e no depois da porteira.

Para nós, democracia não se confunde com falta de civilidade e de maneira nenhuma posicionamentos políticos podem mascarar atos criminosos. Registramos, novamente, que repudiamos toda e qualquer forma de agressão física ou verbal e não coadunamos com tais práticas em nosso dia a dia de trabalho.

O ato isolado deste profissional, embora já desligado, não representa a nossa cultura, nem nossos valores. Registre-se que o fato aconteceu fora do ambiente de trabalho, sendo de responsabilidade personalíssima e exclusiva do profissional, inclusive no que toca às possíveis consequências de responsabilização civil e criminal.