‘Faz 10 anos que me afastei e minha vida só melhorou’, diz Kelvin Hoefler sobre treta no skate

Medalhista olímpico participou do programa ‘Cadeira Cativa’ e esclareceu fofocas envolvendo Letícia Bufoni e a Confederação Brasileira de Skate

  • Por Jovem Pan
  • 30/07/2021 20h11 - Atualizado em 30/07/2021 22h01
EFE/ Juan Ignacio RoncoroniKelvin Hoefler é medalha de prata olímpico no skate street

O medalhista olímpico no skate street, Kelvin Hoefler, participou do programa Cadeira Cativa desta sexta-feira, 30, e comentou um pouco sobre a ‘treta’ entre ele, a skatista Letícia Bufoni e a Confederação Brasileira de Skate (CBSK), que agitou as redes sociais depois da conquista inédita do santista. Em um vídeo no Instagram, Letícia disse que Kelvin não é ‘do rolê’ e se mantém afastado de todos. “Eu tinha um foco. Não viajei 16 horas para ficar de ‘ideinha’ um com outro ou coisas meio erradas que eu via. Eu não vou entrar num grupo de amizade que só fala mal um do outro, uma vibe negativa. Eu fui pra lá pra ganhar e eu estava minando essas amizades e focando no meu objetivo. Já faz mais de 10 anos que eu me afastei dessas pessoas e a minha vida mudou depois disso, foi só foguete, então foi bom. Falador passa mal, essa é a verdade”, afirmou o atleta. Especificamente sobre Buffoni, Kelvin esclareceu que eles se conheceram quando eram mais novos, mas que, apesar das diferenças, não tem problemas com ela.

“Ela cresceu na rua de casa no Guarujá, mas quando mudou para os EUA nós não tivemos mais essa conexão. Ela não voltou mais pra lá e perdemos um pouco da comunicação. Ela vive o mundo dela e eu vivo o meu. Eu não sei se tem treta, porque ela falou umas coisas e eu torci pra ela no dia seguinte. Acho que o que ela falou foi infeliz”, completou. Um outro ponto da história é sua relação com a CBSK. Logo após a medalha, o pai de Kelvin desabafou nas redes sociais da confederação apontando que o filho era deixado de lado pelos cartolas. Ele respondeu o que deu. “Não sei se eu posso falar por conta de questões judiciais. Mas a Confederação é difícil porque a gente dá o máximo, fazemos um corre tão grande e eles não estão nem aí. Eles priorizam só algumas pessoas e na minha visão não é certo, como uma confederação. Meu pai tá certo, ele que tá comigo desde o início e eu estou com ele até o fim”, finalizou.

Confira abaixo trecho da entrevista do medalhista olímpico Kelvin Hoefler: