Provas emocionantes, energia boa e comentários descontraídos: Skate foi sucesso nas Olimpíadas

Estreante no quadro olímpico, modalidade rendeu três medalhas de prata para o Brasil e conquistou as redes sociais do país

  • Por Flavia Matos
  • 05/08/2021 02h03
Reprodução/Twitter @JogosOlimpicosRayssa Leal foi uma das maiores alegrias do skate

O skate foi a escolha de modalidade mais acertada de Tóquio 2020. Estreando no quadro olímpico, o esporte trouxe ao Brasil três medalhas, tanto no street como no park, e criou um furor entre os torcedores na rede social. Na primeira prova desta edição, Kelvin Hoefler conquistou a prata na disputa do street masculino que teve definição de medalha no último trick. No dia seguinte, a fadinha Rayssa Leal encantou com sua fofura e alegria na pista, trazendo mais uma prata para o país em um pódio dominado por jovens atletas. Nesta quinta-feira, 5, Pedro Barros fechou a trinca de medalhas ao também ficar com a prata no park masculino, que teve a presença de Pedro Quintas e Luiz Francisco na final. Além do talento de todos os competidores, o que mais chamou atenção de quem assistia foi o companheirismo entre os competidores, que sempre estavam torcendo um pelos outros e rindo até quando caíam.

Porém, a ‘energia boa’ dos competidores as vezes faltou para os torcedores. Houve muita reclamação pela nota de juízes para os brasileiros, enquanto que notas muito altas eram distribuídas para os japoneses ou atletas de outras nacionalidades. E quem não ficou um tanto quanto feliz com a queda dos adversários? Crianças de 13 anos? Quando essa ‘falha’ ocorria, a tetracampeã mundial no skate vertical, Karen Jonz, melhorava o ambiente. A ex-atleta foi selecionada pelo canal SporTV como uma das comentaristas do skate nas Olimpíadas e fez um trabalho descontraído, leve e cheio de informação. Karen trouxe novas frases ao vocabulário do brasileiro como “xerecou no campeonato” ou “chega colocando a xereca na mesa”. Ela foi uma das maiores estrelas nas redes sociais durante as transmissões.

Mas nomes como Sergio Arenillas e Everaldo Marques, que narraram as modalidades no canal de televisão fechada e na TV Globo, foram protagonistas das conquistas do brasileiros e do skate no coração do brasileiro. As polêmicas fora das pistas também encantaram os torcedores. A treta entre Hoefler, Letícia Bufoni e a Confederação Brasileira de Skate levou dias no noticiário e rendeu na internet. Sendo assim, com nomes muito jovens, o Brasil bem em todas as categorias, manobras emocionantes e que ninguém entende o nome, além das referências com a banda Charlie Brown Jr. e as fofocas, o skate tem tudo para se tornar um dos esportes mais acompanhados no país. Em Paris 2024, as chances de medalha para o país continuam altas, e a garantia de emoção também.