Brasil registra recorde de mortes na pandemia com 1.910 óbitos

Segundo o CONASS, recorde pertencia ao dia 7 de janeiro, quando foram contabilizadas 1.841 mortes pela doença

  • Por Jovem Pan
  • 03/03/2021 18h35 - Atualizado em 03/03/2021 20h52
Marcelo Fonseca/Estadão ConteúdoPaís vive momento crítico da pandemia, com o esgotamento de leitos de UTI na maioria dos estados

Nas últimas 24 horas, o Brasil registrou 1.910 mortes causadas pela Covid-19, batendo o recorde de óbitos diários na pandemia. Até então, o dia com mais mortes havia sido 7 de janeiro, quando foram contabilizados 1.841 mortos. Os dados foram divulgados pelo Conselho Nacional de Secretários de Saúde (CONASS) nesta quarta-feira, 3, mostrando que, com as novas mortes, o total de vítimas fatais da pandemia chegou a 259.271, sendo o segundo maior número do mundo, superado apenas pela quantidade de mortos dos Estados Unidos. No mesmo período, foram registradas 71.704 novos casos de Covid-19, aumentando o número de infectados pelo novo coronavírus (Sars-Cov-2) e suas variantes para 10.718.630 desde o início da pandemia. No momento são utilizados duas bases de dados principais para contabilizar os casos: a do CONASS e a do Consórcio de Veículos de Imprensa, que costumam apresentar dados diferentes. Nesta quarta, o consórcio apontou que foram registradas 1.840 mortes, o que, em sua contagem, também representa um novo recorde desde o início da pandemia.

Os números comprovam que o país vive o auge da pandemia de Covid-19. Também nesta quarta-feira, o governo do Estado de São Paulo, que é o mais atingido pela pandemia, decretou retorno de todas as cidades à fase vermelha, onde apenas serviços essenciais podem funcionar. Além disso, o toque de recolher foi estendido, e deverá vigorar das 20h às 5h. Segundo a Fiocruz, 18 Estados e o Distrito Federal estão com a taxa de ocupação de leitos de UTI superior a 80%. O Ministério da Saúde também informou, nesta quarta, que irá adquirir todas as doses disponíveis da vacina da Pfizer contra a Covid-19.