Deputados alvos de PF e Eduardo Bolsonaro ingressam com ação na PGR por abuso de autoridade

A PGR pede a suspensão das investigações do inquérito das fake news, que será decidido pelo plenário do STF

  • Por Jovem Pan
  • 28/05/2020 18h15
Gabriela Biló/Estadão ConteúdoFilho do presidente Jair Bolsonaro, Eduardo é deputado federal pelo PSL-SP

Os deputados federais Filipe Barros (PSL-PR), Bia Kicis (PSL-DF), Carlos Jordy (PSL-RJ) e Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) ingressaram com ação na Procuradoria-Geral da República (PGR) por abuso de autoridade contra os mandados do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), nesta quarta-feira (27).

Moraes autorizou 29 mandados de busca e apreensão, no âmbito do inquérito do Supremo, para apurar a disseminação de fake news e ameaças contra ministros do STF. “A iniciativa é focada nos mandados de busca e apreensão expedidos por Alexandre de Moraes através de inquérito inconstitucional”, escreveu Eduardo Bolsonaro no Twitter.

Nesta quarta, deputados, apoiadores, blogueiros e empresários foram alvo da Polícia Federal (PF). Na decisão que autorizou os mandatos nos estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Mato Grosso, Paraná e Santa Catarina, além do Distrito Federal, Moraes aponta a existência do “gabinete do ódio” e indícios que empresários financiaram a disseminação de notícias falsas.

O procurador-geral da República, Augusto Aras, pede a suspensão das investigações do inquérito, que será decidido pelo plenário do Supremo.