Feminicídio diminui 7% no Estado de São Paulo neste ano

Ao comparar a soma acumulada dos primeiros sete meses de 2021 com o mesmo período em 2020, tem-se uma queda em números absolutos de sete boletins de ocorrência registrados

  • Por Jovem Pan
  • 15/09/2021 18h48 - Atualizado em 15/09/2021 21h08
Alexandre Carvalho/Governo de SPO Estado de São Paulo possui 138 Delegacias de Defesa da Mulher, sendo dez delas com funcionamento 24 h

O Estado de São Paulo fechou o mês de julho com redução de 7,07% nos casos e vítimas de feminicídio (assassinato de mulheres em razão do gênero). Ao comparar a taxa nos primeiros sete meses de 2021 com o mesmo período em 2020, tem-se uma queda em números absolutos de sete boletins de ocorrência registrados, saindo de 99 no ano passado para 92 agora. Na quantidade de vítimas, o recuo foi 6,93%, já que um boletim de ocorrência pode registrar mais de uma vítima. Ainda neste período, 41 feminicidas foram identificados e presos pelas polícias de São Paulo.

Atualmente, o Estado de São Paulo possui 138 Delegacias de Defesa da Mulher (DDM) aptas a registrar crimes dessa natureza. Dentre elas, dez funcionam 24 horas por dia. Além das unidades físicas, também existem as DDM Online, com o objetivo de estimular o registro de ocorrências no período de isolamento social ocasionado pela pandemia de Covid-19. Até a última segunda-feira, 13, já foram registrados eletronicamente mais de 38,5 mil casos de violência doméstica. Desde agosto de 2020, as DDM atendem exclusivamente ocorrências relacionadas à violência doméstica ou familiar e infrações contra a dignidade sexual contra pessoas com identidade de gênero feminino e contra crianças e adolescentes. Mesmo assim, a Secretaria de Segurança Pública do estado (SSP-SP) informa que todas as demais delegacias de São Paulo podem registrar casos de violência contra a mulher. Ainda de acordo com a SSP, os agentes das Polícia Civil, Militar e Técnico-Científica aprendem sobre a questão durante suas formações.