SP: após pedido de ajuda, estoques de sangue ficam cheios em fundação

Segundo a Pró-Sangue, a adesão à campanha foi tão grande que só serão atendidos doadores já agendados

  • Por Carolina Fortes
  • 20/03/2020 15h04 - Atualizado em 20/03/2020 15h10
Marcelo Camargo/Agência Brasil Homem doa sangue A Pró-Sangue, que é vinculada à Secretaria da Saúde, abastece mais de 100 instituições públicas em São Paulo

Após um momento crítico de baixa nos estoques de sangue, a Fundação Pró-Sangue de São Paulo informou, nesta sexta-feira (20), que a adesão da população à campanha foi tão grande que só vai atender doadores já agendados. Segundo a assessoria de imprensa da instituição, a agenda está cheia até o final de março.

Nos últimos dois dias, a capacidade de atendimento e acomodação foi ultrapassada, o que deixou os estoques praticamente refeitos. “Estamos desacelerando um pouco a coleta porque os postos estão repletos de doadores e não queremos que as pessoas fiquem aglomeradas”, afirmou a assessoria, lembrando das medidas recomendadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS) para conter o avanço da pandemia de coronavírus.

Ela lembrou, no entanto, que nas próximas semanas as pessoas não devem deixar de comparecer, pois as doações “não podem parar nunca”. A Pró-Sangue, que é vinculada à Secretaria da Saúde, abastece mais de 100 instituições públicas em São Paulo.

Quem estiver com sintomas gripais só pode doar após uma semana do desaparecimento deles. Já quem testou positivo para o coronavírus precisa aguardar 90 dias, e quem teve contato com algum infectado, 30 dias. Demais restrições podem ser consultadas pelo site.