Guedes critica dólar baixo: ‘Todo mundo indo pra Disneylândia’

A fala do ministro da Economia aconteceu na tarde desta quarta-feira (12) durante evento em Brasília

  • Por Jovem Pan
  • 12/02/2020 20h28 - Atualizado em 13/02/2020 08h43
O ministro da Economia, Paulo Guedes

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta quarta-feira (12) que uma taxa de câmbio mais alta é “boa para todo mundo” e que o dólar barato estava prejudicando exportações e permitindo que “todo mundo” possa ir à Disney.

“Não tem negócio de câmbio a R$ 1,80. Vou exportar menos, em função de importações, turismo, todo mundo indo pra Disneylândia. Empregada doméstica indo pra Disney. Peraí”, disse Guedes, durante fala em evento.

O ministro ainda incentivou os brasileiros a viajarem de férias dentro do próprio país. Nesta quarta, o dólar fechou em R$ 4,35 e renovou a máxima histórica.

A fala de Guedes aconteceu durante evento realizado em Brasília na tarde desta quarta. “Todo mundo indo pra Disneylândia. Empregada doméstica indo pra Disneylândia. Uma festa danada. Peraí. Vai passear ali em Foz de Iguaçu, vai passear ali no Nordeste, cheio de praia bonita. Vai pra Cachoeiro de Itapemirim, vai conhecer onde o Roberto Carlos nasceu. Vai passear no Brasil, vai conhecer o Brasil, que tá cheio de coisa bonita pra ver”, disse.

O ministro, que recentemente se envolveu em polêmica ao comparar a categoria de servidores a “parasitas”, tentou depois minimizar a afirmação, dizendo que o câmbio mais baixo estaria permitindo todo mundo ir para a Disney, até as classes mais baixas.

“Todo mundo tem que ir para Disneylândia conhecer Walt Disney. Mas não ir três, quatro vezes ao ano, até porque o dólar a R$ 1,80, tinha gente indo quatro vezes ao ano. Vai aqui para Foz do Iguaçu, Chapada da Diamantina, conhece um pouco do Brasil, conhece a selva amazônica e, da quarta vez, conhece a Disneylândia. Então, é só isso que digo. Mudamos o mix”, tentou corrigir.

Ele mais uma vez citou a mudança de mix entre câmbio e juros no país. “É melhor termos juros a 4% e câmbio a R$ 4,00, do que câmbio a R$ 1,80 e juros de 14%, nas alturas”, repetiu. “O câmbio não está nervoso, mudou para R$ 4,00. O modelo não é juro na lua e câmbio baixo, desindustrializando o Brasil”, acrescentou.

*Com informações do Estadão Conteúdo