PE: Menino de 5 anos morre após cair de prédio; patroa da mãe da vítima é investigada

  • Por Jovem Pan
  • 05/06/2020 09h55 - Atualizado em 05/06/2020 10h05
Reprodução / TwitterMiguel Otávio Santana da Silva estava sob responsabilidade de Sari Gaspar Corte Real, patroa da sua mãe, quando caiu de uma altura de 35 metros

O menino Miguel Otávio Santana da Silva, de 5 anos, morreu na quarta-feira (3) após cair do 9º andar do Edifício Píer Maurício de Nassau, no Recife, onde a mãe dele trabalhava como empregada doméstica.

Conforme a Polícia Civil, a criança caiu de uma altura de cerca de 35 metros após ter sido deixada pela mãe, Mirtes Renata Souza, sob responsabilidade da patroa, Sari Gaspar Corte Real, enquanto saía para passear com o cachorro da família.

Sari Corte Real foi autuada por homicídio culposo, quando não há intenção de matar, pela morte de Miguel. Presa em flagrante, ela foi conduzida à Polícia Civil onde pagou R$ 20 mil em fiança para responder ao inquérito em liberdade. O prazo para concluir a investigação é de 30 dias, a depender das apurações.

O caso

Enquanto a mãe estava fora, o menino tentou entrar duas vezes no elevador do prédio. Em imagens de câmeras de segurança obtidas pela TV Globo, é possível ver Sari falar com a criança e permitir que o Miguel entrasse sozinho no elevador, que o levou ao 9º andar do prédio.

Conforme a gravação, Sari aproxima a mão do botão do elevador onde ficam os andares mais altos do prédio, antes que a porta se feche. “A gente observa que ela [Sari Corte Real] aperta um outro andar superior ao apartamento em que residia e a criança acaba, de forma inesperada pela investigação, a ficar só no elevador. Ela sobe, para no primeiro andar e depois, ao abrir a porta do 9º andar, desembarca”, disse o delegado da Delegacia Seccional de Santo Amaro, Ramon Teixeira.

Após sair do elevador, Miguel teve acesso à área que ficava uma caixa de condensadores de aparelhos de ar-condicionado, sem tela de proteção, e acabou caindo. O delegado Ramon Teixeira afirma que a morte, em decorrência da queda, foi acidental. “O que restava identificar era a responsabilidade de alguém pelo fato de aquela criança ter ficado só.”

A mãe de Miguel, Mirtes Renata Souza, declarou à TV Globo que era funcionária de Sari e do seu esposo, Sérgio Hacker, o prefeito de Tamandaré (PE). “Ela confiava os filhos dela a mim e a minha mãe. No momento em que confiei meu filho a ela, infelizmente ela não teve paciência para cuidar, para tirar [do elevador]. Eu sei, não nego para ninguém: meu filho era uma criança um pouco teimosa, queria ser dono de si e tudo mais. Mas assim, é criança. Era criança”, disse a mãe do garoto.

*Com informações do Estadão Conteúdo