RJ: R$ 8,5 milhões apreendidos em operação do MP não estavam na casa de ex-secretário

Órgão esclarece que quantia foi entregue voluntariamente por um dos investigados

  • Por Jovem Pan
  • 11/07/2020 17h45 - Atualizado em 11/07/2020 17h46
Divulgação/MP-RJMP esclareceu que dinheiro não estava na residência do ex-secretário Edmar Santos

O Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) esclareceu que os R$ 8,5 milhões encontrados durante a execução de uma das etapas da Operação Mercadores do Caos, que investiga fraudes nos contratos de compra dos respiradores mecânicos usados no tratamento das vítimas de covid-19 no estado, não não estavam na residência do ex-secretário de Saúde Edmar Santos.

Segundo o MP, a quantia foi entregue espontaneamente por um dos investigados – não se sabe se Santos, ou outra pessoa. O ex-secretário foi o principal alvo da operação realizada na última sexta, 10, preso sob acusação de se beneficiar das fraudes.

Cerca de R$ 7 milhões eram em notas de reais, e o restante em dólares americanos, euros e libras esterlinas. O dinheiro foi levado para a Coordenadoria de Segurança e Inteligência do MP-RJ e contado na presença do investigado que realizou a entrega e do seu advogado.

As máquinas utilizadas na contagem do dinheiro foram emprestadas pelo Banco do Brasil, que também colocou à disposição agência e funcionários prestando serviço após o horário habitual de expediente. Depois, o dinheiro foi depositado em conta judicial do Banco do Brasil. Após a contabilização, todos os invólucros onde estavam as notas foram preservados para que sejam periciadas pelo Instituto de Criminalística Carlos Éboli (ICCE). As diligências só foram finalizadas na madrugada de sábado.

* Com Estadão Conteúdo