Rodrigo Maia rebate Bolsonaro: ‘É competência do Congresso autorizar uma declaração de guerra’

  • Por Jovem Pan
  • 30/04/2019 21h09
André Borges/Estadão ConteúdoPresidente da Câmara e presidente da República trocaram farpas, mais uma vez, nas redes sociais

O dia tenso de confrontos na Venezuela causou reflexos também na política brasileira. Na noite desta terça-feira (30), o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, rebateu uma declaração do presidente da República, Jair Bolsonaro, sobre a crise no país vizinho – gerando, mais uma vez, um princípio de mal-estar entre eles.

Inicialmente, Bolsonaro compartilhou no Twitter que “a situação da Venezuela preocupa a todos” e que “qualquer hipótese será decidida exclusivamente pelo Presidente da República”. Maia, em seguida, usou a mesma rede social para afirmar que “é competência exclusiva do Congresso Nacional autorizar uma declaração de guerra pelo Presidente da República”.

“Chuva de verão”

Em março deste ano, a dupla protagonizou um pequeno período de tensão. Após dias de embates envolvendo suposta falta de articulação do governo na tramitação da reforma da Previdência, Bolsonaro disse que esse tipo de situação “acontece” e classificou os episódios como “uma chuva de verão”. “Página virada, um abraço, Rodrigo Maia. O Brasil está acima de todos. Acontece, é uma chuva de verão”, afirmou. O presidente acrescentou ainda que “outros problemas virão, com toda a certeza”, mas ponderou: “pode ter certeza, na minha cabeça e na dele, o Brasil está acima de tudo e Deus acima de todos”.

Crise na Venezuela

Centenas de venezuelanos tomaram as ruas de Caracas nesta terça para mostrar apoio ao presidente do parlamento e auto-proclamado presidente interino, Juan Guaidó, e aos militares que se rebelaram contra o governo de Nicolás Maduro. Guaidó anunciou que “a família militar deu o passo, uma vez por todas” para se unir à oposição.

Além de bloquear as ruas, as pessoas que apoiam a queda do regime chavista interpelavam quem estavam a caminho do trabalho e as incentivavam a aderir aos protestos e aos bloqueios. Há registros, no entanto, de confrontos entre opositores e forças do governo, com bombas de gás contra os presentes.

Em meio às atividades, Guaidó postou em seu Twitter que o país tem “o poder de alcançar o fim da usurpação”. Segundo ele, o povo está em um processo que é “impossível de deter” e “tem o respaldo firme do mundo para restabelecer a democracia”.

“Venezuela: em nossas mãos temos o poder de alcançar definitivamente o fim da usurpação. Estamos em um processo que é impossível de deter. Temos o respaldo firme de nossa gente e do mundo para conseguir o restabelecimento de nossa democracia. #TodaVenezuelaNasRuas”, escreveu.