Ao lado do governador do Amazonas, Bolsonaro culpa Estados pela alta dos combustíveis e do gás

Sem citar abertamente São Paulo, presidente lamentou que ‘o maior Estado economicamente ativo’ tenha aumentado o valor do ICMS durante a pandemia

  • Por Jovem Pan
  • 18/08/2021 14h28 - Atualizado em 18/08/2021 15h34
MATEUS BONOMI/AGIF - AGÊNCIA DE FOTOGRAFIA/ESTADÃO CONTEÚDO - 12/08/2021O presidente Jair Bolsonaro esteve em Manaus nesta quarta-feira, 18, para entrega de moradias do programa Casa Verde e Amarela

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou a culpar, nesta quarta-feira, 18, os governadores pela alta no preço do gás e da gasolina. Durante a cerimônia de entrega de 500 moradias do programa Casa Verde e Amarela, em Manaus, o chefe do Executivo atribuiu parte da responsabilidade da crise econômica aos Estados. “Sabemos que a inflação está batendo na porta de vocês, mas lá atrás grande parte dos governadores e da nossa mídia disse que deveríamos respeitar aquela máxima: ‘Fique em casa que a economia a gente vê depois’”, iniciou o presidente. “Essas pessoas jogaram, praticamente na miséria, em torno de 40 milhões de pessoas no Brasil”, afirmou Bolsonaro, em referência à imprensa e aos governadores. O governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), que estava sentado ao lado do chefe do Executivo e discursou antes de Bolsonaro, foi recebido com vaias pelos presentes no evento.

O presidente apontou que, como o governo federal zerou o imposto federal do gás de cozinha, o aumento no preço do botijão é uma consequência dos impostos estaduais, do valor do frete e da margem de lucro calculada pelas empresas. “Muitos reclamam, com razão, do preço do botijão de gás, que está na casa dos R$ 130. Realmente, é um absurdo. Mas vou dizer a vocês que o botijão de gás custa, na origem, R$ 45 e o governo federal simplesmente zerou o imposto federal para o gás de cozinha. Se chega a R$ 130, a responsabilidade não é do governo federal, são impostos estaduais, bem como frete e margem de lucro”, disse Bolsonaro, que, em seguida, também atribuiu a alta nos combustíveis aos impostos cobrados pelos Estados.

“Hoje em dia, o litro da gasolina é vendido nas refinarias na casa de R$ 1,95. Se está R$ 6, R$ 7 o litro, o que é um absurdo, e o imposto federal na casa de R$ 0,70, vamos ver quem é o vilão nessa história. O vilão não é o governo federal.” O presidente ainda aproveitou para cutucar seu adversário político, o governador João Doria (PSDB), sem citar o Estado de São Paulo abertamente. “A gente lamenta que alguns Estados do Brasil, como o maior Estado economicamente ativo, foi o Estado que mais aumentou o ICMS em plena pandemia. É lamentável isso”, criticou.