G7 não cita Amazônia em declaração final dos líderes após reunião na França

  • Por Jovem Pan
  • 26/08/2019 16h41
EFENo documento, foram citados países como Irã, Líbia e Ucrânia, além das manifestações em Hong Kong

A cúpula do G7 divulgou, nesta segunda-feira (26), a declaração final dos líderes após a 45ª reunião que ocorreu em Biarritz, na França. Apesar das polêmicas envolvendo presidentes dos países do grupo em relação aos incêndios na Amazônia, o comunicado não trouxe nada a respeito da questão.

Nas redes sociais, o assessor especial da Presidência para Assuntos Internacionais, Filipe G. Martins, comemorou a ausência do assunto: “O bom senso e o respeito à soberania brasileira prevaleceram”, escreveu.

Ao contrário dos encontros anteriores, desta vez o G7 não divulgou um comunicado oficial, mas uma breve declaração na qual são citados países como Irã, Líbia e Ucrânia, além das manifestações em Hong Kong e da preocupação com o comércio internacional.

“Os líderes do G7 gostariam de destacar a grande unidade e o espírito positivo dos debates. A reunião organizada pela França em Biarritz gerou com sucesso acordos entre os chefes de estado e de governo em diversos assuntos”, disse o documento, citando resumidamente os pontos discutidos.

Dentre eles, estão “assegurar que o Irã nunca adquira armas nucleares e adotar a paz e a estabilidade na região”. Além disso, os países declararam que “apoiam uma trégua na guerra da Líbia que vai trazer um longo acordo de cessar-fogo” e que “somente uma solução política pode assegurar a estabilidade no país”. Por isso, “planejam uma conferência internacional para reunir as partes interessadas e atores regionais relevantes para este conflito”.

“Apoiamos o trabalho das Nações Unidos e da União Africana para criar uma conferência inter-líbia”.

Sobre Hong Kong, o G7 reafirmou a existência e a importância da Declaração Conjunta Sino-Britânica de 1984, que acertou entre o Reino Unido e a República Popular da China que “o sistema socialista não seria praticado na Região Administrativa Especial (RAE) de Hong Kong, e o sistema capitalista honconguês ficaria intacto por um período de 50 anos”.

Ajuda para a Amazônia

O presidente da França, Emmanuel Macron, anunciou, nesta segunda-feira, que o G7 disponibilizará uma ajuda imediata de US$ 20 milhões para o combate aos incêndios na Amazônia.

Esta será a primeira etapa de um plano em parceria com os países afetados para que essa região disponha dos meios necessários “na hora em que mais necessita”, disse Macron, em entrevista coletiva ao lado do presidente do Chile, Sebastián Piñera.

Além disso, Macron afirmou que a França oferecerá meios militares para as tarefas de controle do incêndio.