Nova Zelândia impõe lei, e nascidos após 2008 nunca poderão comprar cigarros no país

Medida anunciada nesta quinta-feira aumentará idade mínima para adquirir produtos derivados do tabaco anualmente, tornando o consumo inviável para novas gerações

  • Por Jovem Pan
  • 09/12/2021 11h53 - Atualizado em 09/12/2021 12h22
Pixabay/Creative Commons Cinzeiro com um cigarro aceso e outros dez apagados, além de cinzas Governo da Nova Zelândia quer proibir consumo de tabaco para próximas gerações

Uma nova lei anunciada pelo governo da Nova Zelândia nesta quinta-feira, 9, deve banir gradativamente a venda de cigarros para jovens, aumentando de ano em ano a idade mínima para a compra de tabaco. Hoje, o país oceânico proíbe o comércio do cigarro para os menores de 18 anos. “Queremos nos certificar de que os jovens nunca comecem a fumar, então vamos tornar o ato de vender produtos com tabaco ilegal para as pessoas mais novas. Pessoas que tiverem 14 anos na data em que a lei entrar em prática nunca serão capazes de comprar tabaco legalmente”, afirmou a Ministra da Saúde do país, Ayesha Verral. Na prática, a compra do cigarro continua permitida no país, mas os consumidores precisarão ser cada vez mais velhos para fazê-lo. Em 65 anos, uma pessoa que nunca fumou precisaria esperar chegar aos 80 para poder ter a idade mínima para adquirir o tabaco. A lei deve entrar em vigor a partir do próximo ano e, além de modificar a idade mínima para compra, vai reduzir drasticamente o número de locais que podem vender tabaco ou produtos derivados dele no país, que deve sair de 8 mil para 50. A medida proibicionista foi tomada após uma série de medidas econômicas pensadas ao longo de anos para tentar diminuir a quantidade de fumantes. Grandes taxações de impostos sobre os produtos do tipo chegaram a ser aplicadas, mas não surtiram o efeito esperado. De acordo Verral, o tabagismo é a maior causa de mortes evitáveis na Nova Zelândia, levando cerca de 5 mil pessoas a óbito por ano.