Trump indica multinacional de tecnologia para comprar operações do TikTok nos EUA

Dessa forma, a companhia americana entra nas negociações pelo ‘app’, que precisará mudar de proprietário após decreto dado pelo governo para repassar as operações no país

  • Por Jovem Pan
  • 19/08/2020 10h29
EFE/EPA/KEVIN DIETSCHDonald Trump é o presidente dos Estados Unidos

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, demonstrou apoio, ainda na noite da última terça-feira, 18, à compra pela Oracle das operações no país do aplicativo de vídeos TikTok, de propriedade da chinesa Byte Dance. “Bom, acho que a Oracle é uma grande companhia e acho que seu dono é um grande cara, uma grande pessoa. Acho que a Oracle, certamente, seria alguém que poderia fazer o negócio”, explicou o mandatário. Dessa forma, a companhia americana entra nas negociações pelo ‘app’, que precisará mudar de proprietário após decreto dado pelo governo dos EUA para repassar as operações no país. A Oracle, gigante do desenvolvimento de software para empresas, manteve discussões preliminares sobre a possibilidade de se aliar, com alguns dos atuais investidores minoritários da ByteDance para comprar as operações americanas da TikTok.

Recentemente, a Microsoft indicou que estava negociando com a ByteDance e estava atuando em coordenado com a Casa Branca. O Twitter também estaria considerando a possibilidade de apresentar uma oferta, segundo o “The Wall Street Journal”. Já o jornal “Financial Times” antecipou o envolvimento da Oracle na corrida, indicando que se trata de uma empresa que mantém laços mais estreitos com a Casa Branca do que a maioria do restante dos interessados no processo.

O cofundador, presidente e maior acionista da Oracle, Larry Ellison, iniciou no início deste ano uma arrecadação de fundos para a campanha de reeleição de Trump. Já o CEO da companhia, Safra Cruz, também trabalhou no comitê executivo da equipe de transição do governo, em 2016. Os Estados Unidos consideram que a TikTok representa uma ameaça para a segurança nacional, porque é propriedade de uma companhia da China. A ByteDance descartou, repetidas vezes, as acusações americanas de que compartilha informações de usuários com o governo do país asiático.

*Com informações da EFE