Vice-ministro de Política Criminal do Paraguai renuncia após denúncia do Brasil

Hugo Volpe teria sido apontado pelo Ministério da Justiça do Brasil como envolvido em esquema de corrupção. Ele foi figura de destaque em ações conjuntas entre Brasil e Paraguai no combate ao narcotráfico

  • Por Jovem Pan
  • 20/01/2020 16h26
Reprodução / ABC.com.pyHugo Volpe colocou seu cargo à disposição nesta segunda-feira (20)

O vice-ministro de Política Criminal do Paraguai, Hugo Volpe, pediu demissão do cargo nesta segunda-feira (20) um dia após a fuga de 75 presos da Penitenciária Regional de Pedro Juan Caballero, dominada pela facção brasileira Primeiro Comando da Capital (PCC). Um dos principais articuladores da luta contra o narcotráfico em seu país, Volpe teria sido apontado pelo Ministério da Justiça do Brasil como envolvido em esquema de corrupção.

O presidente Mario Abdo aceitou a demissão e nomeou para o cargo o então vice-ministro de Justiça, Edgar Taboada. Nota divulgada pelo Ministério de Justiça informa que a saída de Volpe se deu “como parte das investigações realizadas pela fuga de 75 membros do PCC”, entre eles 40 brasileiros. Conforme a nota, no entanto, “a medida foi tomada após análise de relatórios enviados pelo Ministério da Justiça do Brasil, onde Volpe é mencionado por supostos atos irregulares cometidos enquanto atuava como promotor na cidade de Pedro Juan Caballero”.

Ao ser confrontado com a denúncia, o promotor teria negado os fatos, mas decidiu pela não permanência no cargo para se defender das acusações. “Como resultado da comunicação do relatório, nos reunimos com o vice-ministro Hugo Volpe, que disponibilizou sua posição para que isso seja esclarecido de forma transparente. A partir desse momento, o presidente designa (para a função) o vice-ministro Edgar Taboada”, explicou a ministra da Justiça, Cecilia Pérez.

Conforme a ministra, o caso em que envolve o promotor de justiça Hugo Volpe não tem a ver com a fuga de presos ocorrida em Pedro Juan Caballero.

“Como ele (Volpe) está sendo alvo de uma investigação, ele pôs o cargo à disposição para evitar conflitos, porque também deve esclarecer o caso em que foi apontado seu envolvimento”, declarou a autoridade.

O ministro Arnaldo Guizzio, da Secretaria Nacional Antidrogas (Senad), disse que o presidente aceitou a demissão de Volpe para seguir com as investigações e chegar à verdade dos fatos. “Houve uma denúncia formal apresentada por um promotor do Brasil, recebida em nosso Ministério Público via o Ministério de Justiça do Brasil”, afirmou.

Nenhuma das autoridades paraguaias deu detalhes da denúncia. Volpe desempenhou o cargo de promotor do combate ao narcotráfico até novembro do ano passado, quando pediu sua demissão do Ministério Público para assumir como titular do vice-ministério de Política Criminal, vinculado ao Ministério da Justiça.

O promotor paraguaio foi figura de destaque nas ações conjuntas entre o Brasil e o Paraguai para combater o narcotráfico na fronteira. Em várias operações, ele prendeu policiais que chefiavam departamentos em cidades da fronteira com o Brasil. Ameaçado de morte pelos traficantes, ele passou a contar com segurança oficial. O Ministério da Justiça do Brasil ainda não se pronunciou.

*Com informações do Estadão Conteúdo