Após 14 meses sem partido, presidente Jair Bolsonaro deve se filiar ao Patriota

A expetativa é a de que Carlos, Flávio e Eduardo Bolsonaro acompanhem o pai na mudança partidária

  • Por Jovem Pan
  • 22/01/2021 12h12 - Atualizado em 22/01/2021 13h16
MATEUS BONOMI/AGIF - AGÊNCIA DE FOTOGRAFIA/ESTADÃO CONTEÚDO - 03/12/2020 Ao longo de 2020, o presidente defendeu em diversas ocasiões a criação do Aliança pelo Brasil, que não conseguiu assinaturas necessárias para obter o registro

Após passar 14 meses sem filiação a nenhum partido, o presidente Jair Bolsonaro deve se filiar ao Patriota. De acordo com o jornalista José Maria Trindade, da Jovem Pan, o presidente descartou outros convites de partidos políticos, como o PL, por não querer carregar as contas dos pecados antigos das legendas. Agora, a expectativa é a de que toda a família Bolsonaro se filie ao partido. Com isso, Carlos Bolsonaro e Flávio Bolsonaro, atualmente filiados ao Republicanos, assim como Eduardo Bolsonaro (PSL), devem acompanhar o pai na mudança partidária. Bolsonaro rompeu com a legenda que o elegeu presidente, o Partido Social Liberal (PSL), em novembro de 2019.

O anúncio da saída de Bolsonaro do PSL aconteceu junto com a proposta de criação de um novo partido, o Aliança pelo Brasil. Ao longo de 2020, o presidente defendeu em diversas ocasiões a criação da legenda, que não conseguiu assinaturas necessárias para adquirir a obtenção do registro no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Até 26 de fevereiro do ano passado, o grupo tinha apenas 3.334 das 492 mil assinaturas necessárias. Com a dificuldade de formalização, em novembro de 2020, Bolsonaro já afirmava possibilidade de recorrer a uma “nova opção” de partido, caso do Aliança não saísse do papel. No fim do ano, em entrevista à Jovem Pan, o vice-presidente do partido disse que a tentativa de registro da legenda continuaria mesmo sem a figura de Bolsonaro.