Presidente da FPF não descarta ir à Justiça contra pausa no Paulista: ‘80% de chance de ganhar’

Em entrevista exclusiva ao ‘Esporte em Discussão’, Reinaldo Carneiro Bastos deu detalhes sobre o que será discutido na reunião da Federação Paulista com os clubes do Campeonato Paulista, em encontro marcado para a próxima segunda-feira, 22

  • Por Jovem Pan
  • 19/03/2021 14h14 - Atualizado em 19/03/2021 16h53
Reprodução/Jovem PanReinaldo Carneiro Bastos em entrevista à Jovem Pan

Presidente da Federação Paulista de Futebol (FPF), Reinaldo Carneiro Bastos concedeu entrevista exclusiva ao programa “Esporte em Discussão”, nesta sexta-feira, 19, e falou sobre a reunião com os 16 clubes da elite do Campeonato Paulista, marcada para a próxima segunda-feira, que definirá o rumo do Estadual, paralisado de 15 a 30 de março. De acordo com o mandatário, a entidade ainda está confiante em reverter a medida determinada pelo governador João Doria (PSBD). Caso não seja possível, a segunda alternativa será procurar um outro Estado para continuar a competição. Em última hipótese, não está descartada entrar na Justiça contra a suspensão do futebol.

“A nossa estratégia é jogar. Não é jogar a qualquer custo, mas com segurança e cuidando da saúde de todos os envolvidos. Se não conseguir reverter a decisão, vamos trabalhar para jogar em outro Estado. Entrar na Justiça é a última opção, mas não está descartado”, disse o presidente da FPF, à Jovem Pan. “Isso foi muito avaliado. A tese jurídica é perfeita porque a chance de ganhar é maior de 80%. Os argumentos são fortes e as provas também. As maiores ligas do mundo estão em atividade. Agora, essa é a nossa apreensão. Se ganhar e preparar a rodada, é possível que cassem a liminar. Tem muita gente que quer entrar na Justiça e não jogar, apenas para mostrar que têm razão. As pessoas criticam muito… Temos que procurar alguém que fale quem tem razão. Estamos numa democracia e não vejo essa comoção de poucos de que procurar a Justiça como um crime. Procurar a Justiça faz parte do jogo”, completou o dirigente, acrescentando que a paralisação prejudica os times menores.

De acordo com Reinaldo Carneiro Bastos, os representantes do governo do Estado de São Paulo foram convencidos de que o novo protocolo de saúde, estabelecido pela Federação, era seguro. O problema, no entanto, foi que o Ministério Público não aprovou a continuidade. “Foi falada, mas não tem números ou comprovação científica, até este momento, de que sem futebol vai cair a contaminação ou diminuir o colapso da saúde. Não há nenhuma confirmação. Chegaram a colocar que o ponto maior de contaminação é a nossa casa, porque tem a partida de futebol e os vizinhos se reúnem para assistir. Por mais que isso ocorra, contamina mais na nossa casa ou nos metrôs e ônibus? Não conseguimos nenhuma explicação científica das autoridades”, comentou o mandatário, que completou. “Fazer uma partida de futebol com todos numa bolha não pode, mas gravar novela pode? Tem muito mais gente numa gravação de novela do que em uma partida. Não vemos coerência, é isso que nos deixa magoados e tristes.”

Com a quinta rodada do Paulistão, programada para este final de semana, suspensa, a ideia da Federação Paulista, caso consiga reverter a situação, é retomar o campeonato já na metade da semana que vem. “Queremos jogar no meio de semana. Estamos trabalhando a logística porque não sabemos de horário, mas queremos levar e trazer as equipes de futebol da maneira mais segura possível”, declarou Reinaldo Carneiro, que encerrou falando do caso de Gabriel Barbosa, do Flamengo, flagrado em um cassino. “O Gabigol não dá para defender. Onde ele estava, tinha, no mínimo, três infrações. Muito ruim.”