Após seis aumentos, Petrobras muda metodologia do reajuste de preços do gás de cozinha

  • Por Jovem Pan
  • 08/12/2017 08h36
Pedro Ventura/Agência Brasília Gás de cozinha sofre reajuste de 6,9% Pelo modelo estabelecido em junho o preço do gás passou a considerar as cotações europeias, além da taxa de câmbio e de uma margem de lucro

Explosão no preço do gás de cozinha leva Petrobras a rever política atrelada ao mercado internacional. Após o sexto reajuste, a estatal comunicou buscar uma metodologia que suavize os impactos dessa volatilidade para os valores domésticos.

Na segunda-feira foi anunciado um aumento de 9% nos botijões de 13 quilos, o mais consumido e que pesa no bolso das famílias de baixa renda.

Em audiência na Comissão de Legislação Participativa da Câmara, o deputado José Augusto Nalin (PMDB) cobrou representantes da Petrobras.

Com um aumento acumulado de 50%, desde agosto, a Agência Nacional do Petróleo afirma que o preço médio do botijão chegou a R$ 65.

O gerente de marketing da Diretoria Executiva de Refino de Gás Natural da Petrobras, Flávio Tojal, prometeu uma alteração na política de preços do GLP.

Pelo modelo estabelecido em junho o preço do gás passou a considerar as cotações europeias, além da taxa de câmbio e de uma margem de lucro.

A Petrobras justifica que apenas 35% do valor do botijão são de responsabilidade da estatal, 46% são fixados pelas distribuidoras.

Confira a reportagem completa de Marcelo Mattos: